Confira dicas de como salvar suas páginas de conhecimento e histórias 

Foto: Envato Elements

As enchentes que causaram estragos em quase todos os municípios do Rio Grande do Sul deixaram milhares de desabrigados, incluindo famílias inteiras e muitos animais de estimação. Neste momento de calamidade, a PUCRS é um dos abrigos emergenciais acolhendo pessoas atingidas pelas chuvas em Porto Alegre. Com estrutura montada no Parque Esportivo, o espaço conta com o apoio de professores e estudantes voluntários, mobilizados a levar ao público informações relevantes sobre o contexto, perspectivas e ações práticas que possam ajudar.   

Neste momento, em que a água já escoou em alguns lugares, e baixa de nível aos poucos em outros, as pessoas conseguem voltar para a casa e avaliar os danos. Professores da Escola Politécnica já divulgaram dicas de como recuperar eletrodomésticos e até carros. E agora, a Biblioteca Irmão José Otão traz dicas de como tentar salvar livros que entraram em contato com umidade por conta das alagações. 

Medidas que podem ajudar a recuperar seus livros: 

Importante tomar alguns cuidados, como não deixar exposto ao sol, nem ao vento forte. Também não utilizar outras fontes de calor como secador de cabelos, chapinha ou até mesmo ferro de passar roupas. O essencial é secar o papel, mesmo que esteja com lama, em lugar arejado ou com ventilador em velocidade baixa. Além disso: 

Estas dicas podem ser utilizadas em materiais que possuem umidade, porém é necessário o acompanhamento diário para não haver proliferação de fungos ou mofo. Já para situações de contato excessivo com água, existem outras formas de recuperação como o congelamento, a térmica a vácuo, o uso de desumidificadores, entre outras ações, que devem ser aplicadas por especialistas. 

Confira ainda:  

Atenção: A PUCRS encerrou o período de recebimento de doações no dia 6 de junho de 2024.

Agradecemos o engajamento e a solidariedade de todos/as! Nossa ação conjunta está sendo ágil e conseguimos mobilizar rapidamente voluntários e as doações para atender as pessoas abrigadas no Parque Esportivo da PUCRS. 

Por enquanto, não há necessidades de novos voluntários e qualquer mudança será comunicada. Os pedidos de doações especificas para os abrigados do Parque Esportivo serão atualizados no Instagram oficial da PUCRS (@pucrs) e da Pastoral (@pastoralpucrs), conforme as rápidas mudanças de necessidades. Quem quiser contribuir com algum valor, pode fazer a doação pelo pix [email protected].

As doações na PUCRS devem ser entregues APENAS no Estacionamento do Centro de Eventos (prédio 41), portão 1 (entrada pela Ipiranga, antes do Museu), de segunda a sexta, das 8h às 17h. Demais pontos de coleta na Universidade não estarão mais recebendo doações.

A PUCRS se solidariza com todas as pessoas afetadas pelas chuvas. Seguimos atentos e à disposição da comunidade.

Saiba o que doar:  

Solidariedade 

A Campanha do Agasalho na PUCRS é realizada anualmente e deseja colocar em prática formas concretas de construção de uma sociedade mais justa e fraterna. Nesta edição, todas as doações serão direcionadas às pessoas abrigadas no Parque Esportivo, em razão da calamidade no Rio Grande do Sul.

A Universidade segue à disposição para orientações e o nosso Campus se mantém aberto aos/às estudantes e à comunidade de forma segura, oferecendo acesso à energia elétrica, equipamentos, ambientes de estudo, serviços de alimentação e uso das estruturas disponíveis.

Leia também:

15 programas de pós-graduação recebem inscrições até 8 de julho 

Foto: Giordano Toldo

Está aberto o processo seletivo para ingressar no mestrado e doutorado da PUCRS no segundo semestre de 2024. As inscrições para os 15 programas de pós-graduação podem ser realizadas até o dia 8 de julho, exclusivamente de maneira online.   

Os programas da PUCRS são reconhecidos nacional e internacionalmente pelo seu modelo de ensino flexível, ampliando a formação por meio de parcerias com universidades estrangeiras e um ecossistema que conecta pesquisa com inovação e impacto social – tudo isso em uma das melhores infraestruturas de pesquisa do País. Além disso, os programas contam com professores de excelência, referências em suas áreas de pesquisa.  

Ensino flexível e transversal 

Atenta às tendências internacionais, a PUCRS adotou uma nova política de composição e aproveitamento de créditos em seus Programas de Pós-Graduação stricto sensu. A política permite que estudantes de mestrado e doutorado utilizem atividades desenvolvidas por eles nas áreas de inovação, impacto social, internacionalização e produção científica como créditos acadêmicos. Essa iniciativa incentiva e valoriza vivências e desenvolvimento de competências durante mestrado e doutorado. 

Confira os editais com inscrições abertas  

Conheça as opções de bolsas e crédito educativo    

Estudantes de mestrado e doutorado poderão concorrer a bolsas das agências de fomento, como da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e também da própria Universidade, por meio do Programa Institucional para Incentivo à Pós-Graduação Stricto Sensu (PRO-Stricto). Para saber mais, acesse o site. Verifique disponibilidade de bolsas, regras e requisitos junto à Secretaria de cada Programa de Pós-Graduação. 

Outra facilidade oferecida pela Universidade para cursar mestrado ou doutorado é o Programa de Crédito Educativo da PUCRS (Credpuc). Com essa possibilidade, o estudante recebe um auxílio de 50% do valor das mensalidades, reembolsadas pelo aluno após o término do curso, pelo mesmo período de utilização. Mais informações sobre o Credpuc podem ser obtidas junto ao Setor Financeiro Acadêmico da Universidade pelo telefone (51) 3320-3588 ou pelo e-mail [email protected]. 

Leia também: Preciso saber falar outro idioma para ingressar no mestrado ou doutorado? 

Neste ano, o Salão de Iniciação Científica da PUCRS completa 25 anos de história, consolidando-se como um espaço de socialização das atividades de pesquisa envolvendo estudantes da graduação e professores/pesquisadores de diferentes universidades. Neste ano, o evento acontece entre os dias 3 e 7 de junho e as inscrições para apresentação estão abertas.

O evento avalia a participação de bolsistas em projetos de pesquisa de Iniciação Científica, proporciona o intercâmbio de conhecimentos e resultados de pesquisas, além de promover a divulgação da pesquisa no âmbito da graduação. O encontro também oportuniza aos bolsistas um momento de reflexão sobre sua contribuição para a qualificação do projeto de pesquisa de Iniciação Científica.

As inscrições vão até o dia 15 de março, às 18h. Para se inscrever, os/as estudantes deverão preencher o formulário de inscrição e submeter um resumo, que fará parte do ebook do evento.

Para a Diretora de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, Maria Martha Campos, o evento contribui para a excelência na formação dos alunos de graduação, sendo uma oportunidade de trocas científicas, permitindo o desenvolvimento de novas habilidades.

“Em especial, nesta edição dos 25 anos, temos muito a celebrar, considerando o destaque da PUCRS em pesquisa”, adiciona.

Experiências de pesquisa

Na PUCRS, mais de 600 estudantes de graduação integram projetos de pesquisa conduzidos nas sete Escolas. A Iniciação Científica objetiva, além da formação, a capacitação e qualificação de recursos humanos voltados para a pesquisa científica.

Para mais informações sobre o Salão de Iniciação Científica e outras oportunidades de pesquisa na graduação, contate a Coordenadoria de Iniciação Científica pelo e-mail [email protected] ou presencialmente de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h15 na sala 325 do Living 360°.

Inscreva-se no evento

12º Fórum Internacional do Meio Ambiente abordou o tema “Água e Energias Renováveis” / Foto: Giovanna Brambilla/Famecos

O auditório da Escola de Comunicação, Artes e Design (Famecos) recebeu, entre os dias 12 e 13 de março, o 12º Fórum Internacional do Meio Ambiente (FIMA), que abordou o tema Água e Energias Renováveis. A primeira noite do evento teve como destaque o líder indígena e presidente do Conselho Distrital Yanomami, Junior Hekurari Yanomami. A professora e decana da Famecos, Rosângela Florczak, abriu o evento com um discurso de união dos profissionais de comunicação com o tema meio ambiente.  

“Entendemos que no meio acadêmico nada se faz sozinho. Se nós não estivermos unidos como sociedade, o tema não anda”, reforçou.  

A decana também destacou que a Escola trabalha a temática por meio de grupos de pesquisa, buscando aperfeiçoar o lugar na comunicação na atuação de riscos e crises decorrentes de situações climáticas emergentes. Seguindo as falas de abertura do fórum, a professora e doutora em comunicação na UFRGS, Ilza Girardi, destacou a importância dos povos indígenas na preservação das florestas. Ela defendeu ainda a necessidade de se reconhecer e valorizar os conhecimentos e práticas tradicionais desses grupos para a proteção do meio ambiente. “Graças aos indígenas, conseguimos manter nossas florestas de pé”, disse Ilza. 

A partir disso, o líder indígena Junior Hekurari iniciou os relatos da situação em que vive o povo Yanomami. Ele revisitou os desafios enfrentados por sua comunidade, que tem que lutar diariamente contra a contaminação dos rios devido à presença de garimpeiros nas suas terras, bem como as altas taxas de mortalidade infantil decorrentes da desnutrição e de doenças como malária e pneumonia. Além disso, reforçou a necessidade do engajamento dos jornalistas pela causa e clamou por apoio governamental para proteger a sua comunidade. 

Ilustrando essa realidade, um vídeo documental foi exibido, mostrando o trabalho dos mineradores em território indígena e o impacto devastador que essa atividade ilegal tem sobre a população nativa. O filme revelou o contraste sobre as condições precárias em que vivem os Yanomamis diante da invasão de seu território. “Não compre ouro, pois isso financia o trabalho dos mineradores na terra Yanomami”, apelou Hekurari, após a transmissão do documentário. 

Palestras reforçaram a necessidade do engajamento dos jornalistas pela causa indígena. / Foto: Giovanna Brambilla/Famecos

Para encerrar a primeira parte do evento, foi mostrada uma apresentação detalhada que revelou estatísticas contundentes, obtidas a partir da dolorosa realidade vivida pelo povo Yanomami. Esses números reforçam a urgência de ações concretas para proteger essa comunidade vulnerável e preservar sua cultura e modo de vida.  

“É importante a função do jornalista mostrar o que acontece no território indígena. As autoridades só fazem algo a partir do que os jornalistas divulgam, concluiu o líder indígena. 

O evento transcorreu ao longo da quarta-feira (13), abrangendo diversos painéis que abordaram temas significativos, tais como o papel da imprensa na cobertura sobre água e energias renováveis, a contribuição da indústria gaúcha para a transição energética e a perspectiva das ONGs sobre energias renováveis, entre outras temáticas. 

Leia também: Pró-Mata é local de pesquisas nacionais e internacionais sobre impacto na biodiversidade

Ao encerrar o FIMA, a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) apresentou uma Carta Aberta à população gaúcha e brasileira. Por meio deste documento, a Associação destaca a urgência da crise ambiental que já representa uma ameaça à vida na Terra. Simultaneamente, conclama os governantes e cidadãos brasileiros a se comprometerem na defesa vital da água, do ar e de práticas saudáveis. 

A Carta apela por uma redução do consumismo predatório, incentivando um maior cuidado com a saúde individual e coletiva, bem como um respeito mais atento aos povos originários. Além disso, ressalta a importância da conscientização coletiva sobre os destinos da humanidade. A carta também busca despertar a responsabilidade compartilhada na preservação do meio ambiente e na construção de um futuro mais sustentável para todos. 

O 30º Porto Alegre em Cena conta com apresentações nacionais e internacionais. / Foto: Divulgação

A segunda etapa da 30ª edição do Porto Alegre em Cena – Festival Internacional de Artes Cênicas começa dia 13 de março com o espetáculo O Circo Preto da República Bantu e encerra no dia 24 com o espetáculo <Tx[@]be/t_a | |=* Txabeta. A programação completa contempla sete espetáculos nacionais e internacionais. Além disso, conta com uma ampla programação paralela, com programa educativo, pontos de encontro para trocas de saberes, mostras de filmes e muito mais. O festival é financiado com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura/Ministério da Cultura e da Prefeitura de Porto Alegre. A PUCRS assina a correalização do evento, que tem o patrocínio da Petrobras, BB Asset, Itaú e Zaffari.  

Nesta etapa, o festival oferece três espetáculos brasileiros, são eles: Área Suspensa (RS), da Cia Municipal de Dança de Porto Alegre, trazendo uma cartografia dançada dos corpos que habitam Porto Alegre, com uma proposta de manifesto contra intolerâncias; Brenda Lee e o Palácio das Princesas (SP), dirigido por Zé Henrique de Paula, homenageando a ativista Brenda Lee e sua luta pelos direitos LGBTQIAP+ e O Avesso da Pele (SP), do Coletivo Ocutá, uma adaptação do livro homônimo de Jeferson Tenório que trata sobre o racismo estrutural brasileiro a partir de um recorte de Porto Alegre nos anos 80.  

Quatro espetáculos internacionais compõem a programação: O Circo Preto da República Bantu (África do Sul), com direção e produção de Princess Rose Zinzi Mhlongo, expõe o violento legado dos zoológicos humanos. Fronte[i]ra Fracas[s]o (Brasil e Bolívia), da parceria entre os grupos Companhia Clowns de Shakespeare e Teatro de Los Andes, evidencia e entende as relações em territórios fronteiriços a partir de uma pesquisa na região em que Brasil e Bolívia se separam apenas por um rio. Un Buen Morir (Bolívia), do Teatro de Los Andes, mostra a intimidade de um café da manhã de um casal, mas não um café da manhã qualquer, nem um casal qualquer. <Tx[@]be/t_a||=* / Txabeta (Cabo Verde), da House of Onix, traz uma viagem alucinante através da sabedoria ancestral do Batuku, gênero de música e dança tradicional cabo-verdiana.  

“O conceito curatorial proposto em 2022 segue atual e potente: seremos um Porto Provocação, um Porto Palco que coloca em cena o que fomos e somos, e o que podemos ser. Abertos para balanço, atentos ao que vem.”, conta a equipe de direção artística, composta por Adriane Azevedo, Adriane Mottola, Airton Tomazzoni, Antônio Grassi, Juliano Barros, Renato Mendonça, Ricardo Barberena e Thiago Pirajira, se referindo a diversidade de espetáculos estrangeiros e nacionais que compõe a agenda de apresentações.  

Os ingressos variam entre R$ 5,00 e R$ 60,00 e parte da bilheteria dos espetáculos contará com entradas gratuitas, destinados a grupos e coletivos de projetos sociais, culturais e educacionais.   

“O Porto Alegre em Cena construiu passo a passo sua história com a cidade, trazendo os grupos mais relevantes da cena brasileira e mundial, mas também abrindo caminho para o novo, o diferente, o que desacomoda”, é grifado no site do festival. Para isso, será promovida uma sólida programação paralela aos espetáculos, como o Circuito Evoé, cortejo que homenageia Zé da Terreira e Zé Celso Martinez, dois expoentes do teatro; o programa educativo, com seminários, bate-papos, mostra de filmes e oficinas e, ainda, foi escolhido o Espaço Cultural 512 para ser o ponto de encontro oficial, onde ocorrerá uma programação “pensada para reunir o povo do festival e o público que o acompanha”, de acordo com Bebe Baumgarten, assessora de imprensa do POA em Cena. 

Você pode acompanhar as informações sobre o evento no site ou pelas redes sociais do festival (Instagram e Facebook). 

Confira a programação completa:  

13 de março  

14 de março  

15 de março  

16 de março   

17 de março  

18 de março  

19 de março  

20 de março 

21 de março  

23 de março  

24 de março  

O evento contará com a presença do líder indígena Júnior Hekurari. / Foto: Divulgação

O Fórum Internacional do Meio Ambiente (FIMA), organizado pela Associação Riograndense de Imprensa (ARI), em parceria com Escola de Comunicação, Artes e Design (Famecos), Ministério Público do RS, e pelo Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental da UFRGS (GPJA), irá acontecer entre os dias 12 e 13 de março. O Fórum tem como objetivo discutir questões relacionadas ao meio ambiente do ponto de vista político e social, promovendo não só um debate, mas também um espaço de aprendizagem para estudantes, jornalistas e público em geral.   

O tema do 12º Fórum Internacional do Meio Ambiente é “Água e Energias Renováveis”, e o evento busca possibilitar reflexões sobre as formas de produção de energia e o uso da água, principalmente em temas como o hidrogênio verde e a produção de energia eólica. Também serão debatidas as implicações da implantação de fazendas de aerogeradores em lagoas e nas áreas litorâneas. O tema escolhido envolve dois grandes desafios da sociedade atual: preservar a qualidade e a riqueza ecológica da água do planeta e equilibrar o aumento da demanda de energia com a necessidade de preservação da natureza. Dessa forma, o evento promove uma discussão aprofundada sobre o uso desses recursos, com o objetivo de buscar soluções inovadoras e socialmente justas globalmente e em nível local.   

O Fórum irá contar com a presença de diversas lideranças e autoridades da temática no Brasil. A liderança indígena Junior Hekurari Yanomami será um dos palestrantes do evento e irá ministrar a palestra “Terra Yanomami: garimpo, crise humanitária e o papel do jornalismo”. Presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami, Junior é ativista e denuncia a crise humanitário na terra indígena Yanomami, o garimpo ilegal e o desmatamento da Amazônia.   

Durante o Fórum também acontecerá a 1ª Mostra de Jornalismo Ambiental. Serão aceitos até 16 trabalhos entre reportagens e projetos de extensão que abordem a temática ambiental. Os trabalhos consistem em reportagens premiadas ou indicadas por professores, além de projetos de extensão aprovados pela universidade, com a indicação do orientador. Os trabalhos podem ser enviados até o dia 7 de março.   

Evento se conecta com a Agenda 2030 da ONU 

Ao trazer o tema água e energias renováveis para o debate, o Fórum conecta as duas temáticas com a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidades (ONU) que são traduzidas pelos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS): Vida na Água (objetivo 14) e Energia Acessível e Limpa (objetivo 14).  A Agenda 2030 é um guia desenvolvido pela ONU que funciona como um plano de ação para colocar o mundo em um caminho mais sustentável e resiliente até 2030. Empresas, organizações, instituições de ensino são incentivadas a tomar parte nesse projeto global e a PUCRS é uma delas: a Universidade firma esse compromisso de impacto social diariamente através dos seus projetos de pesquisa, ensino, extensão e inovação.  

Serviço 

Saiba mais sobre o evento

Início das aulas da graduação presencial traz estudantes de volta ao Campus/ Foto: Giordano Toldo

Um recomeço cheio de possibilidades, descobertas e reencontros: assim começa o novo ano letivo na PUCRS. Os/as alunos/as da graduação presencial voltaram às aulas nesta segunda-feira (26) para mais um semestre. Desde a entrega dos cadernos às recepções de calouros nas Escolas, o Campus inteiro está em clima de retorno e conta com uma programação especial para receber a todos/as. 

Leia também: Tudo que você precisa saber para a volta às aulas em 2024 

Entre os/as estudantes, a empolgação é grande: Gustavo Lopes, de 25 anos, é calouro do curso de Medicina e está com altas expectativas para esta nova jornada. 

No momento, quero aprender bastante, quero conhecer muita gente. Mas eu acho que, de início, eu quero me encontrar na Medicina, porque é tudo muito novo. É engraçado que, apesar de eu ser calouro, já estou pensando muito no internato, sou um pouco ansioso em relação a isso”, comenta. 

Isabelle está iniciando o curso de Publicidade e Propaganda/ Foto: Giordano Toldo

Quem também está entrando na Medicina é João Vitor Lopes, de 24 anos. Animado para o início do semestre, declara que é uma nova vida e que está ansioso para conhecer todo o Campus. “Logo de cara eu percebi que é bem arborizado, é bem bonito, então quero aproveitar cada cantinho”, diz o estudante. 

Isadora tem 21 anos e está cursando o terceiro semestre de Produção Audiovisual, mal pode esperar para viver novas experiências na volta às aulas: “quero fazer muitos trabalhos, pois assim sinto que estou aprendendo. Também adoro conhecer pessoas novas, é sempre muito bom”. 

Já Isabelle, de 18 anos, está no primeiro semestre de Publicidade e Propaganda, não poderia estar mais feliz ingressando na PUCRS: 

“Eu estou com uma expectativa muito alta. Acho que vai ser uma experiência incrível, estou muito feliz de estudar aqui. Estou ansiosa para ver como funciona o curso de Publicidade e vivenciar o dia a dia de estudos aqui na PUCRS”.

Confira a programação completa de volta às aulas

Os serviços do Campus vão sofrer algumas alterações entre 10 e 13 de fevereiro. / Foto: Giordano Toldo

Seja para quem vai curtir a folia ou para quem vai ficar em casa, o feriado de Carnaval é muito aguardado por ser um período de descontração, descanso e diversão. Entre os dias 10 e 13 de fevereiro, a Universidade estará em recesso e retomará as atividades no dia 14. Para ajudar no planejamento, separamos alguns avisos importantes sobre o funcionamento da PUCRS nessas datas. Confira!   

Funcionamento de serviços do Campus    

Os serviços da PUCRS seguirão o cronograma do feriado, com pausa nas atividades. Confira algumas adaptações nos horários:    

Tecnopuc  

O Campus possui diversos espaços de descanso e descontração/ Foto: Giordano Toldo

Nem só de aulas, estudo e avaliações é feita a vida universitária: momentos para descontrair, se divertir e relaxar, sozinho ou com os amigos, também fazem parte dessa trajetória. E, para os alunos da PUCRS, não seria diferente – o Campus tem espaços relaxantes para ajudar a cuidar da mente, do corpo e da alma. Confira algumas dicas sobre os melhores cantinhos para relaxar no campus: 

Espreguiçadeiras 

As espreguiçadeiras nos gramados são uma ótima opção para curtir a vista, estar perto da natureza e relaxar lendo um bom livro ou escutando música, por exemplo. Você pode encontrá-las em frente ao Living 360° (prédio 15) e perto do prédio 30. 

Sala de meditação 

Para que gosta de meditar, a dica é a sala de meditação, que fica localizada no terceiro andar do Living 360° (prédio 15). Vale a pena reservar um horário do dia para ir lá e ter esse momento de calmaria e tranquilidade, que traz grandes benefícios para o bem-estar e a saúde de forma geral. 

Leia também: 5 dicas práticas para quem quer começar a meditar   

Térreo do Living 360°  

O Living também possui um espaço especialmente para os momentos de descontração: balanços, sofás, pufes, mesas de sinuca, pebolim e ping-pong e um quiosque da Casa Bauducco estão à disposição dos alunos no térreo do prédio 15. Além, é claro, do restaurante Fifteen Sports Bar. 

ATL House 

A casa da Rádio Atlântida na PUCRS é o lugar ideal para quem busca um espaço de descontração. Além dos sofás e pufes, a ATL House também conta com mesas de sinuca, um jogo de fliperama e uma TV com console de videogame – e sempre tem música tocando. Há ainda um estúdio de rádio onde são gravados programas da Rádio Atlântida, permitindo que os estuantes, em especial os de comunicação, tenham acesso ao processo de produção desses programas em tempo real. O espaço também abriga os restaurantes Rafa Sushi, Canal Café e Severo Garage, para quando bater a fome. 

Redes do Tecnopuc 

O Tecnopuc não fica de fora: as áreas externas do lugar possuem várias redes para quem quer relaxar ao ar livre. Seja para ficar deitado, descansando, organizando as ideias e esperando a inspiração chegar ou para juntar os amigos e colocar a conversa em dia, as redes do Tecnopuc são uma boa pedida. 

Leia também: Visitando a PUCRS: o que fazer no Campus durante as férias