O Programa de Residências Multiprofissionais do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL) está com inscrições abertas para o processo seletivo de residentes das áreas de Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Farmácia. O Programa de Residência Multiprofissional e em Área Uniprofissional da Saúde da PUCRS (PREMUS), que prevê o pagamento de bolsas aos residentes no valor de R$ 4.106,09 pelo Ministério da Saúde, tem o intuito de formar profissionais especialistas em campos de atuação estratégicos para o SUS. Interessados/as podem fazer sua inscrição para o processo seletivo até o dia 1º de novembro através do site oficial. 

Promovido pela Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS e pelo HSL, com apoio dos Ministérios da Saúde e da Educação, o PREMUS engloba as seguintes ênfases: Urgência, Saúde do Idoso, Apoio Diagnóstico e Terapêutico, Física Médica do Radiodiagnóstico e Física Médica da Radioterapia. Confira os diferenciais das três residências: 

Urgência 

Destinado a profissionais da saúde das áreas de Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Psicologia e Serviço Social, o curso busca formar especialistas, na modalidade Residência Multiprofissional, fundamentados nas diretrizes do SUS, com ênfase no campo de atuação da urgência e emergência.

inscreva-se

Saúde do Idoso 

Para enfermeiros, nutricionistas e fisioterapeutas. A residência, além de formar especialista em Saúde do Idoso, busca desenvolver senso crítico dos profissionais perante as necessidades do sistema de saúde. Também é esperado que o/a profissional seja capaz de trabalhar a inter e multidisciplinaridade em relação à saúde integral da pessoa idosa ao final do curso.  

Inscreva-se

Apoio Diagnóstico Terapêutico 

A residência é destina a profissionais de Farmácia e busca formar especialistas com ênfase no campo de atuação estratégico e prioritário para o sistema.  Ao final da especialização, o/a profissional também deve ser capaz de planejar as intervenções com indivíduos, família e coletividade em níveis assistenciais de Atenção Primária, Secundária e Terciária, considerando o perfil epidemiológico da população, os princípios do SUS e o conhecimento próprio da área profissional. 

Inscreva-se

Física Médica do Radiodiagnóstico

Para pessoas com graduação no bacharelo em Física, o curso tem como objetivo ampliar o conhecimento dos/as profissionais sobre os efeitos das radiações ionizantes e não ionizantes sobre a matéria e os tecidos biológicos.

Inscreva-se

Física Médica da Radioterapia

Também destinado a pessoas que possuem o bacharelado em Física, na especialização é esperado que o profissional desenvolva práticas para dar vazão a complexidade da assistência na área da radioterapia, a partir de uma perspectiva inter e multidisciplinar e conforme os princípios e diretrizes do SUS.

Inscreva-se

Saiba como participar 

Além da inscrição, que deve ser realizada única e exclusivamente pelo site, é necessário realizar o pagamento do DOC, que será impresso ao término do preenchimento da ficha de inscrição, no valor de R$ 230,00 (duzentos e trinta reais). A inscrição somente estará confirmada após efetivado o pagamento do DOC. 

CONFIRA O EDITAL

Práticas no curso de Odontologia, a graduação mais bem avaliada do Sul do País segundo o MEC / Foto: Divulgação

A pandemia de covid-19 evidenciou a importância dos profissionais da saúde no Brasil e no mundo. Enquanto médicos e enfermeiros atuavam na linha de frente, especialistas atendiam em consultórios, psicólogos ajudavam a cuidar da saúde mental e cientistas desenvolviam vacinas em tempo recorde. Esse cenário aumentou a admiração pelas profissões da área e inspirou muita gente a estudar para atuar em prol de quem precisa de cuidados.

Cursar uma graduação na área da saúde, contudo, exige analisar diferentes critérios na hora de escolher onde começar a construir o futuro profissional. A dica é sempre procurar por Instituições de Ensino Superior que valorizem as demandas atuais do mercado e ofereçam, desde o início, a possibilidade de integração com profissionais de diferentes áreas da saúde e experiências práticas, além de uma estrutura completa e segura para aprender.

Os projetos pedagógicos devem espelhar como são os profissionais que o mundo necessita atualmente. Os requisitos vão muito além dos ensinamentos teóricos e técnicos, envolvendo também aspectos como empatia e formação humanística.

“O profissional da saúde de hoje precisa estar atento às necessidades das pessoas e, obviamente, ter uma formação consistente, voltada ao contexto contemporâneo e dentro de uma perspectiva de ensino integral, junto a outros profissionais. Necessariamente, precisa trabalhar em equipe e, nessa perspectiva, deve ter uma de aprendizagem com estudantes e profissionais de outras áreas”, explica a decana associada da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS, Marion Creutzberg.

Conheça os cursos na área da Saúde e as formas de ingresso. Escolha o seu caminho na PUCRS.

Aprendizagem contínua e trajetória curricular customizável 

Reconhecida por ser uma das melhores Universidades da América Latina, a PUCRS tem uma oferta completa de formações na área da saúde: são 11 opções de cursos de graduação, sete programas de mestrado e doutorado e mais de 10 opções de especialização, MBA e certificações, além de programas de residências médicas multiprofissionais e em área profissional.

As antigas formações rígidas não têm mais espaço na instituição. Atualmente, estudantes podem customizar parte do curso com disciplinas e projetos de seu interesse, construindo um percurso acadêmico próprio e personalizado, incluindo mais experiências práticas ao longo de toda a formação.

profissionais da saúde

Estudante de Fisioterapia atuando no Centro de Reabilitação / Foto: Divulgação

“Todos os currículos dos nossos cursos da área da saúde estão organizados com práticas desde o primeiro semestre até as vivências de total imersão no cuidado à pessoa no último ano. O estudante tem a possibilidade de ampliar o aprendizado em laboratórios de pesquisa e simulação realística, seguidos pelos cenários de prática real. Essa é a questão mais importante. Não apenas porque as diretrizes de formação profissional da saúde preveem isso, mas porque entendemos que, realmente, a aprendizagem teórica se torna consistente quando é experienciada”, comenta a professora Marion.

Uma novidade da Universidade que tem como piloto a área da Saúde é a possibilidade que o estudante realize uma trajetória acadêmica cursando disciplinas das duas graduações desde o início, concluindo mais de uma formação em menos tempo. No momento esse percurso é possível entre os cursos de Educação Física e Fisioterapia e Biomedicina e Farmácia.

Referência em cursos da área da saúde

Com o melhor curso de Enfermagem do Brasil, segundo o Ministério da Educação (MEC), a PUCRS também possui o segundo melhor curso de Medicina do País e o curso de Odontologia mais bem avaliado entre as instituições privadas no Rio Grande do Sul. A instituição também oferta os cursos de Psicologia, Gastronomia, Farmácia, Fisioterapia, Biomedicina, Nutrição, Ciências Biológicas e Educação Física.

profissionais da saúde

Decana associada da Escola de Ciências da Saúde e da Vida, Marion Creutzberg, e a professora e coordenadora de Ensino-Serviço em Saúde, Andrea Gonçalves Bandeira / Foto: Giordano Toldo

Um dos grandes diferenciais, além da excelência, é que a PUCRS é a única universidade do Brasil com um Campus que conta com um ecossistema completo de saúde e bem-estar, multidisciplinar, que combina estruturas de ensino, pesquisa, extensão, inovação, assistência e serviços especializados na área. Isso faz com que quem estuda na instituição tenha atividades práticas em estruturas reconhecidas como Hospital São Lucas (HSL), Instituto do Cérebro (Inscer), Parque Esportivo, Centro de Reabilitação, Centro de Extensão Vila Fátima – unidade de saúde que realiza a atenção à saúde da população, vinculado ao Sistema Único de Saúde, há mais de 40 anos no Bairro Bom Jesus -, além do Biohub | Tecnopuc, iniciativa voltada à geração de negócios inovadores em saúde.

Toda a infraestrutura do Campus da Saúde permite que os acadêmicos se aproximem e vivenciem as rotinas de suas futuras profissões e prestem serviços para a comunidade. Independentemente da ocasião, os estudantes são estimulados para que a centralidade do cuidado esteja no Individuo, colocando a vida no centro de tudo, estimulando o protagonismo das pessoas para a promoção da saúde.

“Outro aspecto a ser destacado é que alunos de graduação, especialização, residência multiprofissional ou em área profissional em saúde, mestrado e doutorado, podem atuar de forma conjunta, criando um espaço diferenciado de aprendizagem que oportuniza o desenvolvimento de um trabalho colaborativo, que só uma Universidade com esse porte pode oferecer”, diz Marion. 

Formação integral e diferenciada 

A professora da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS, Andrea Gonçalves Bandeira, ressalta que a universidade consegue fomentar a formação integral ao criar uma conexão entre diversas carreiras. Isso porque os espaços da instituição permitem que estudantes de diferentes cursos desenvolvam competências colaborativas, valorizando posturas humanas, éticas e críticas.

Estudantes de Medicina, por exemplo, trabalham com alunos dos cursos de Enfermagem, Biologia e Educação Física. Juntos, eles constroem projetos ou produtos que possam contribuir com o desenvolvimento da sociedade.

“Isso é o que se espera hoje dos profissionais da área. Temos inúmeros estudos que mostram que os sistemas de saúde mais eficazes e os cuidados mais seguros partem do momento em que se tem pessoas que trabalham em equipes interprofissionais e que pensam em projetos terapêuticos de forma conjunta. Isso minimiza danos e riscos, trazendo uma efetividade maior para o sistema de saúde e para o cuidado com as pessoas”, afirma Andrea.

A professora destaca ainda que no momento em que se adota o conceito ampliado de saúde, a saúde deixa de ser a ausência de doença, e passa a considerar os determinantes sociais de saúde e suas implicações no processo saúde e adoecimento, como acesso à educação, lazer, saneamento básico. Deste modo, os novos profissionais precisam estar abertos a trabalhar em equipe. “Uma profissão só não dará conta das necessidades sozinha, temos que pensar cada vez mais em uma atuação integrada. Essa é uma perspectiva muito importante que se espera dos profissionais da saúde hoje. O profissional da saúde que o mundo precisa, além de estar sempre atento às necessidades da população, ou do paciente que ele está atendendo, necessita aprender a fazer uma escuta qualificada, e essa escuta qualificada se traduzir em cuidado humanizado e empático, compreender as necessidades e conseguir, junto de uma equipe interprofissional, dar o melhor encaminhamento”, encerra.

Outra vantagem é que quem escolhe a PUCRS para se formar no campo da saúde pode cursar parte da graduação em instituições estrangeiras, por meio da mobilidade acadêmica. Além de colaborar para um currículo mais robusto, a iniciativa permite explorar novas culturas e perspectivas.

profissionais da saúde

Aline Camargo Nunes, enfermeira formada na primeira turma do curso de Enfermagem / Foto: Giordano Toldo

Formada na primeira turma do curso de Enfermagem da PUCRS, Aline Camargo Nunes comenta que o mundo precisa de profissionais com capacidade de ser flexíveis, de se recriar, de se reinventar. – Os profissionais de saúde que vão entrar no mercado de trabalho têm que buscar desenvolver habilidades para enfrentar o inesperado de forma segura para o profissional e para o paciente – comenta. Hoje, ela atua no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e percebe as diferentes possibilidades da universidade foram fundamentais para a construção pessoal e profissional.

“A formação na PUCRS foi essencial para desenvolver minhas potencialidades através de ferramentas que proporcionaram um conhecimento de excelência em contexto em que eu estava me preparando para o mundo”, afirma Aline.

Formas de ingresso

Interessados em estudar saúde na PUCRS podem realizar o Vestibular ou solicitar o ingresso extravestibular. A segunda opção pode ser feita por meio de processo de transferência, ingresso de diplomado, reopção ou reingresso.

*Texto publicado originalmente em GZH.

estude na pucrs ainda em 2023

graduações combinadas

Foto: Bruno Todeschini

Se você busca uma carreira comprometida com a saúde e com o bem-estar da sociedade, mas ainda não decidiu qual curso de graduação escolher, este artigo é para você. Sabia que é possível fazer uma formação dupla e personalizada na área da saúde? É o caso da graduação combinada em saúde, que permite que você estude dois cursos ao mesmo tempo, ou um após o outro, conquistando diploma em duas áreas de atuação. 

Mas não são todas as universidades que oferecem esse tipo de programa. Na PUCRS, universidade referência no Brasil e na América Latina, você pode fazer graduação combinada dos cursos: 

Assim, você conquista uma formação dupla e personalizada, levando bem menos tempo do que se fosse fazer uma graduação após a outra. 

Graduação combinada: Educação Física e Fisioterapia 

Educação Física e Fisioterapia têm regulações distintas, porém são profissões com muito em comum entre si, começando pelo foco de atuação: o movimento humano em todas as suas dimensões. Aliadas, as áreas são essenciais para garantir a qualidade de vida das pessoas, considerando os processos de recuperação, reabilitação e também a promoção de um estilo de vida saudável para a população. 

Ao estudar Educação Física e Fisioterapia, o/a aluno/a adquire uma maior compreensão dos processos que envolvem a transição entre as ações do/a fisioterapeuta e do/a educador/a físico no que tange à promoção da saúde e à reabilitação do movimento humano. Assim, o/a profissional consegue trabalhar de forma integral todas as necessidades das pessoas. 

Graduação combinada: Biomedicina e Farmácia 

Já quanto à combinação Biomedicina e Farmácia, ambas são graduações que preparam profissionais para atuar na pesquisa e desenvolvimento de análises clínicas, toxicológicas, biológicas, microbiológicas e bromatológicas. Aliadas, as áreas são fundamentais para a qualidade de vida das pessoas, auxiliando em processos de apoio diagnóstico laboratorial e por imagem, apoio terapêutico, fundamentais na prevenção, promoção, recuperação da saúde em todo o ciclo vital do indivíduo.  

Ainda, para o/a egresso/a do curso de Biomedicina, cursar Farmácia representa a possibilidade de ampliar o campo de atuação profissional, pois apenas pessoas diplomadas em Farmácia podem ser responsáveis por estabelecimentos que vendem medicamentos. 

Como funciona a graduação combinada na prática? 

A graduação combinada da PUCRS funciona de forma bastante simples, combinando duas graduações para agilizar a formação do estudante. Ao escolher cursar uma das graduações citadas acima, o/a aluno/a pode aproveitar disciplinas de um curso para o outro. 

Por exemplo: se você é estudante de Fisioterapia, você pode começar a cursar Educação Física sem precisar fazer um novo vestibular ou cursar novamente disciplinas que os dois cursos têm em comum. Além disso, as disciplinas cursadas na primeira graduação podem ser usadas como créditos de disciplinas eletivas – reduzindo ainda mais o tempo da sua segunda graduação. 

Ao optar por cursar a sua graduação na PUCRS, o/a aluno/a tem a possibilidade de construir a sua própria trajetória acadêmica, qualificando-se concomitantemente nas duas áreas de interesse. 

Além de potencializar o processo de aprendizagem, essa modalidade exclusiva de graduação permite a possibilidade de conquistar uma formação profissional mais ampla, multidisciplinar e integral. 

Por que fazer uma graduação combinada? 

graduações combinadas

Fotos: Bruno Todeschini

Quando falamos da área da saúde, somar conhecimentos é algo fundamental. Conforme define a Organização Mundial de Saúde (OMS), a saúde é “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”. Assim, ao estudar os cuidados com a saúde da população de forma integrada, o/a aluno/a é capaz de obter uma compreensão mais ampla e integral do ser humano e sua situação no momento do atendimento. 

Além disso, cursar duas graduações permite que você conquiste um amplo espectro de atuação profissional, aumentando as suas chances de empregabilidade antes mesmo de se formar. 

Vantagens de fazer uma graduação combinada em saúde: 

Leia também: 

doenças respiratórias

Foto: Bruno Todeschini

As doenças respiratórias são uma das principais causas de morbidade e mortalidade em pediatria. Esse cenário gera altos custos para o sistema de saúde e causa impacto significativo na qualidade de vida das crianças e suas famílias. Essas doenças podem ser classificadas como agudas, como a bronquiolite viral aguda, ou como crônicas, que tem como exemplo a asma e a fibrose cística. Para isso, a fisioterapia respiratória é uma especialidade relevante para a prevenção e para o tratamento de praticamente todas as doenças que atingem o sistema respiratório. 

Os pacientes acometidos por essas doenças sofrem diversas complicações, dentre elas, a limitação física e aeróbica, o que acarreta sintomas como dispneia, fadiga e dificuldade de respiração durante e após as atividades físicas. Esses sintomas afetam o condicionamento físico do paciente, que aliado à inatividade, pode provocar um círculo vicioso, comprometendo sua qualidade de vida. 

Para estes casos, a fisioterapia respiratória surge com um papel fundamental para definir, junto ao paciente, técnicas de remoção de secreções, ajustar a terapia inalatória, recomendar exercício físicos específicos e tratar alterações musculoesqueléticas. 

“A modalidade é um conjunto de técnicas manuais que podem ser preventivas ou terapêuticas e tem como objetivo mobilizar secreções, melhorar oxigenação do sangue, desobstruir os brônquios e vias aéreas superiores, diminuir o trabalho respiratório, reeducar a função respiratória e prevenir complicações”, explica o professor e pesquisador da Escola de Medicina da PUCRS Márcio Donadio.

A Fisioterapia é eficaz nesses casos?

No grupo de pesquisa em Avaliação Funcional, Atividade Física e Desenvolvimento da Criança e do Adolescente da PUCRS, estão sendo desenvolvidas pesquisas apontando a especialidade da fisioterapia respiratória como forma eficaz de tratamento para pacientes com diagnóstico de doenças como a fibrose cística. Os pesquisadores que atuam no Laboratório de Atividade Física em Pediatria do Centro Infantil da Escola de Medicina analisaram o uso de exercício físico e testes de avaliação física para estes casos.

O professor Donadio explica que pacientes com fibrose cística apresentam além da infecção crônica, episódios agudos de sintomas respiratórios, chamados de exacerbações pulmonares. Esses eventos impactam negativamente a qualidade de vida dos pacientes, com repercussões físicas e psicossociais, além dos pacientes apresentarem uma deterioração mais rápida da função pulmonar e uma piora do prognóstico, com diminuição da sobrevida. Além disso, em muitos casos, também acontece a hospitalização para tratamento com antibióticos, intensificação da fisioterapia respiratória e do suporte nutricional, gerando um grande impacto nos custos para a saúde.  

Com isso, a pesquisa desenvolvida pelo grupo da PUCRS propõe a aplicação do teste do degrau de três minutos, utilizado para avaliar a capacidade física. O pesquisador explica que esse teste tem suas vantagens porque pode ser realizado fora de um laboratório, com o benefício adicional de ser mais próximo dos padrões usuais de atividade física, sem depender de motivação e nem de espaço amplo para sua realização.  

doenças respiratórias

Foto: Bruno Todeschini

Os resultados da pesquisa apontam que o teste do degrau de três minutos pode auxiliar na identificação de episódios de exacerbação pulmonar em pacientes com fibrose cística e que pode ser realizado de forma remota. Desta forma, o teste pode ser uma ferramenta auxiliar para identificar episódios de exacerbação pulmonar, apresentando um bom desempenho quando realizado de forma remota, permitindo a avaliação de pacientes à distância e sem a necessidade de deslocamento até o centro de referência. 

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS: Pesquisa com hospital da Espanha 

Para desenvolver um dos estudos, o grupo de pesquisa da PUCRS contou com a colaboração do Hospital Universitario Niño Jesús de Madrid, da Espanha, por meio do Programa CAPES-PrInt na PUCRS. Donadio atuou como professor visitante na Universidad Europea de Madrid, onde também a aluna de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Pediatria Natália Evangelista Campos realizou doutorado sanduíche pelo período de um ano.  

Com a presença do professor e da estudante da PUCRS, foi possível dar início ao projeto que visa analisar os efeitos de um programa de exercício físico com foco na força muscular, supervisionado à distância, para pacientes com fibrose cística. Os resultados parciais obtidos até o momento indicam que o programa de exercício está gerando ganhos na capacidade muscular e na composição corporal. 

“São evidências de que programas de exercício também podem ser administrados e monitorados de forma remota, além de que podem contribuir de forma importante para o aumento da adesão a essa terapia de tantos benefícios para pacientes com doenças respiratórias crônicas”, finaliza o pesquisador. 

Leia também: Pesquisa sobre saúde mental busca melhorar a qualidade de vida da terceira idade

nafisio, fisioterapeutas

Felipe Delaví, formado pela Escola Politécnica da PUCRS, desenvolveu a startup Nafisio, que está presente no ecossistema do Tecnopuc / Foto: Divulgação

Foi diante de uma dificuldade pessoal que o empreendedor Felipe Delaví identificou a oportunidade de criar uma solução tecnológica para a área da saúde. Formado pela Escola Politécnica da PUCRS, Felipe desenvolveu um site de busca para conectar pacientes e fisioterapeutas de todo o Brasil. Na plataforma Nafisio é possível localizar fisioterapeutas de 14 regiões do País e fazer a busca por especialidades, como a fisioterapia neurofuncional, esportiva, cardio, respiratória e geral.

De acordo com o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), atualmente o Brasil possui mais de 240 mil fisioterapeutas. A Nafisio entra no mercado para ser uma solução de gestão enxuta e personalizada para os/as profissionais. “A meta aqui é descomplicar a rotina de gestão e finanças dos/as profissionais, para que possam focar no que mais importa: tratar e encantar pacientes”, ressalta Felipe.

O alumnus da PUCRS conta que a ideia do projeto começou a ganhar vida em 2017, época em que sua mãe teve um acidente vascular cerebral (AVC) e precisou fazer um tratamento neurofuncional, especialidade da fisioterapia que age sobre desordens do sistema nervoso. Diante dessa situação, Felipe começou a procurar clínicas de fisioterapia para ajudar no tratamento da sua mãe, mas encontrou dificuldades – e uma oportunidade para conectar pacientes e profissionais.

Solução digital

A partir das suas experiências, o empreendedor identificou que as clínicas de fisioterapia precisavam se comunicar melhor com os pacientes no ambiente digital e começou a traçar estratégias para solucionar esse problema.

Nesse período, Felipe estava operando a própria Agência Digital, especializada em desenvolvimento web, estratégias de tráfego e otimização de sites (SEO). O empreendedor conta que a ideia da criação da agência surgiu a partir de uma experiência que ele teve durante uma disciplina do curso de Arquitetura e Urbanismo da Escola Politécnica, na qual os alunos tinham que criar o design de um produto, junto com a estratégia de comunicação.

“Eu levei aquele projeto muito a sério e desenvolvi também a estratégia de venda para o produto. Foi a primeira vez que programei um site, e decidi que era aquilo que queria fazer. A arquitetura acelerou minha entrada no digital”.

Ideia potencializada pelo ecossistema de inovação da PUCRS

Felipe conta que quando começou a desenvolver a plataforma não sabia como monetizá-la, para manter o projeto em funcionamento e implementar mais soluções. Então, em 2020, ele levou o a iniciativa para o Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), por meio do programa Road, que visa desenvolver startups.

Atualmente, a startup faz parte do ecossistema do Tecnopuc e trabalha no desenvolvimento de mais serviços para os fisioterapeutas, como a criação do sistema de gestão para prontuários eletrônicos, gestão financeira e agendamento dos pacientes.

O projeto da Nafisio tem o apoio da fisioterapeuta Débora Dornelles Côrrea que, desde o início, faz parte do time e contribui para o desenvolvimento e aprimoramento da plataforma, para assim atender melhor às necessidades dos/as profissionais que utilizam a tecnologia.

Para Felipe, o Tecnopuc está sendo um precursor de transformação pessoal e profissional. ”Empreender é um desafio diário, mas quando temos um ecossistema com pessoas que se apoiam e se incentivam mutuamente, o gás para fazer acontecer não tem fim. O Tecnopuc proporciona muitas oportunidades e conexões de negócios, além das parcerias e amizades que ajudam a trilhar esse caminho no empreendedorismo”.

Nesta semana, o empreendedor representará o Tecnopuc, com o apoio do Sebrae, no Rio Innovation Week, o mais completo encontro de inovação e tecnologia da América Latina. O evento acontece entre os dias 13 e 16 de janeiro e reunirá mais de mil startups.

Segundo a Analista de Inovação e Desenvolvimento e advisor da Nafisio, Jéssica Rodrigues, essa será uma ótima oportunidade para conexões e interação com outros players do mercado. “O Felipe é um empreendedor muito dedicado, interage dentro do ecossistema, eventos e oportunidades do Road e realmente se dedica para Nafisio, uma startup com grande potencial de crescimento”.

Leia também: Ciência e empreendedorismo: doutorando uniu caminhos na PUCRS

mulheres na ciência, pesquisadora

Foto: Bruno Todeschini

Com o início da pandemia do coronavírus, em março de 2020, diversas ações de combate à Covid-19 foram desenvolvidas pelas Escolas da PUCRS. Preocupados com a saúde física, mental e emocional da população, estudantes e professores atuaram tanto na linha de frente do tratamento da doença como nos bastidores – fomentando a geração de conhecimento, se opondo à desinformação e buscando formas de se fazer presente nesse momento tão difícil para todos 

O vice-reitor da PUCRS, Irmão Manuir Mentges, ressalta que, desde o começo do período pandêmico, a Universidade deu respostas aos problemas causados pela Covid-19, seja por meio de pesquisa aplicadaadaptações no modelo de ensino, participação nos testes da vacina Coronavac no Hospital São Lucas ou pela criação de projetos inéditos nas Escolas  

Sobre a relevância de a Universidade se relacionar com a cidade e comunidade em que está inseridaIr. Manuir destaca que PUCRS tem um importante compromisso com toda a sociedadeTudo aquilo que se ensina, que se pesquisa e que se inova, deve ir ao encontro da sociedade. Se por um lado temos diversos projetos que trazem as pessoas à Universidade, como a Clínica da Odontoo Centro Vila Fátima e o InsCer, também levamos a PUCRS para a comunidade por meio da participação em comitês estratégicos do Poder Público e participação no processo de vacinação da população. Essa relação não é apenas importante, ela é essencial para manter viva a missão para qual a Universidade é chamada a exercer nos tempos atuais”, complementa.  

Abaixo, você confere algumas ações lideradas pelas Escolas de Comunicação, Artes e Design – Famecos, de Humanidades, de Ciências da Saúde e da Vida e de Direito. Na próxima semana, traremos as iniciativas das Escolas de Medicina, de Negócios e Politécnica. Nessa série, já foram abordadas também as iniciativas dos laboratórios do Tecnopuc.

Escola de Comunicação, Artes e Design – Famecos 

jornalistas

Foto: Shutterstock

O compromisso do curso de Jornalismo da Escola de Comunicação, Artes e Design – Famecos é levar informação sobre a Covid-19 à comunidade. É por isso que os estudantes do Editorial J, laboratório convergente do curso, criaram uma newsletter semanal, enviada todas as sextas-feiras por Whatsapp (para se inscrever e receber as atualizações, basta entrar no grupo)com as principais notícias da semana relacionadas ao coronavírus. Nesse ano, o principal enfoque da news são as atualizações em relação à vacinação. Além disso, os estudantes desenvolvem uma thread semanal no Twitter do J para compartilhar relatos de profissionais que estão atuando na linha de frente.  

Já no curso de Design os estudantes desenvolveram dois protótipos, sob orientação de seus professores, para auxiliar no cotidiano da população. O primeiro deles foi o projeto Mask Case, vencedor do Prêmio Bonancini de Design. Essa criação surgiu da identificação da dificuldade de armazenamento das máscaras de proteção individual no dia a dia, em atividades como comer em um restaurante, por exemplo.  

O resultado foi um compartimento de máscaras que permite guardá-las sem que elas sejam contaminadas. O Mask Case está em código aberto, ou seja, sem propriedade intelectual, permitindo que qualquer um possa produzi-lo, sendo necessária apenas uma impressora 3D para realizar sua confecçãoAlém disso, em parceria com o Tecnopuc, os estudantes desenvolveram um dispenser de álcool gel e medidor de temperatura.  

Teccine PUCRS realiza a produção de oito filmes em 2020

Filme: Eclipse / Foto: Divulgação

Durante o isolamento, o entretenimento ganhou um papel importante na vida de todos. Nesse sentido, o curso de Produção Audiovisual conseguiu, apesar das restrições, entregar oito filmes à comunidade em 2020. Nesse semestre, mais oito devem ser produzidos sendo que, destes, já foram iniciadas as gravações de dois. As produções são realizadas no TECNA 

O curso de Relações Públicas, por sua vez, abordou com frequência o tema comunicação na pandemia: foram realizadas lives sobre o assunto por meio da plataforma Zoom, contando com convidados e audiência de todo o Brasil. Além disso, em janeiro de 2021 houve uma oficina de verão sobre Atendimento ao Cliente: crise e gestão em tempos de pandemia. Ainda em 2020/2, os estudantes do  semestre do curso criaram projetos voltados para organizações e empresas, orientando sobre posicionamentos de comunicação e relacionamento com seus públicos neste período de pandemia.  

Os estudantes de Publicidade e Propaganda que fazem parte do Laboratório de Pesquisa coordenado pelos professores Claudia Trindade e Ilton Teitelbaum, puderam participar de uma pesquisa qualitativa sobre as questões de mobilidade ligadas ao presente a ao futuro da Pandemia da Covid-19, desenvolvida para o Projeto Vida Urgente, da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga. Já nas disciplinas do curso, em Planejamento de Mídia foi realizada, em parceria com a agência Moove, uma campanha de valorização dos médicos e profissionais da saúde em meio à pandemia a ser utilizada pelo Cremers. 

Escola de Humanidades 

Populações indígenas e aldeias contra o coronavírus - No Dia do Índio, povos lidam com fontes de renda comprometidas e desafios ambientais históricos

Foto: Unsplash

O Ir. Édison Hüttner, professor do curso de História da Escola de Humanidades da PUCRS, organizou um grupo de voluntariado para auxiliar aldeias indígenas do Ceará. Participam da ação docentes e discentes do programa de Pós-Graduação em História. Por meio do projeto, foram ajudadas comunidades das etnias potiguara, gavião, tabajara e tubiba tapuya. ação visa orientar a utilização de um equipamento de luz ultravioleta (UV-C INFO) pelos profissionais de saúde indígena para a esterilização de superfícies. O aparelho foi desenvolvido pela Hüttechempresa de tecnologia de combate a pandemia de Covid-19, sediada no Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), e será doado ao órgão responsável. A ação pretende:  

Escola de Ciências da Saúde e da Vida  

Estudantes vacinaram mais de mil pacientes em uma semana e seguem atuando na imunização

Estudantes atuando na imunização / Foto: Divulgação

Estudantes dos cursos de Enfermagem e de Farmácia da Escola de Ciências da Saúde e da Vida fazem parte da equipe que atua na linha de frente no combate ao coronavírus. São eles que estão realizando a vacinação dos grupos prioritários e em uma das primeiras semanas de vacinação chegaram a imunizar mais de mil pessoasAlém disso, eles atuam nos cuidados hospitalares dos pacientes internados por Covid-19 no Hospital São Lucas da PUCRS 

Já o curso de Psicologia da Escola, por meio do Serviço de Atendimento e Pesquisa em Psicologia (SAPP), criou um programa de acolhimento na pandemia, disponibilizando atendimento online e gratuito. Coordenado pelas professoras Renata Dipp e Fernanda Moraeso SAPP realiza em média cerca de 15 mil atendimentos presenciais por ano, no entanto, devido à situação de crise sanitária, em 2020 o serviço teve uma pausa para adaptações entre os meses de março a agosto, retornando com capacidade de 25% em função dos protocolos sanitários. 

Em setembro, após liberação do Conselho Federal de Psicologia, os atendimentos realizados pelos estagiários puderam ser adaptados à modalidade online e em março foi iniciado o programa de acolhimento. As inscrições para a primeira edição iniciaram no dia 19/3 e foram encerradas em 72 horas, após o alcance de 500 inscritos que esgotaram a capacidade de atendimento dessa edição 

Por fim, diversas cartilhas de conscientização sobre os mais variados temas foram desenvolvidas pela Escola: o SAPP produziu orientações sobre saúde mental e a vida a dois na pandemiasaúde mental na pandemia e violência doméstica (visando orientar profissionais a identificarem sinais de abuso sexual em crianças e adolescentes), além de sugerir cuidados para a comunidade acadêmica 

Há, ainda, a força-tarefa PsiCOVIDaque surgiu com a missão de contribuir para o bem-estar das pessoas com conhecimento científico durante a pandemia. O grupo publicou mais uma série de cartilhas de assuntos como enfrentamento do estresse durante a pandemiaatividades físicas para realizar durante a pandemia e combate à Covid-19 para idosos. 

Dezoito estudantes do curso de Fisioterapia da PUCRS realizam estágio junto à equipe de Fisioterapia do HSL na recuperação de pacientes com diferentes patologias, como a Covid-19 / Foto: Lucas Vilella/HSLPUCRS/Divulgação

Todas as cartilhas podem ser conferidas na página sobre o coronavírus no portal da PUCRS e na página do SAPP. 

O curso de Fisioterapia, em parceria com o Serviço de Fisioterapia do Hospital São Lucas, está auxiliando na recuperação de pacientes internados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com sequelas da Covid-19. Para isso, estão utilizando tecnologias como realidade virtual, ou Virtual Reality (VR), além de eletroestimulação muscular e treinamento muscular ventilatório. Dessa forma, é possível realizar a retomada da força física, do controle e da coordenação motora além de aspectos lúdicos. 

Escola de Direito 

O programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais realizou uma série de conteúdos em vídeo para fornecer orientações sobre o Direito e a pandemia. As produções estão disponíveis para acesso e alguns temas abordados foram:  

Além disso, a Escola de Direito realizou a publicação de alguns livros como o Ciências Criminais e Covid-19, do professor Nereu Giacomolli e o Direito de Família no Pós-Pandemia: repercussões jurídicas no “novo normal”, desenvolvido pelo grupo de estudos Temas Atuais de Direito das Família, coordenado pelo professor Daniel Ustarroz. Para o lançamento do último, foi realizado um congresso virtual, composto por uma série de palestras, as quais ficaram salva para acesso posterior no canal do professor Daniel no YouTube 

 

Leia também: Laboratórios do Tecnopuc apoiam soluções de enfrentamento a Covid-19 

 

 

 

 

 

Estudantes realizam estágio junto à equipe do de Fisioterapia HSL na recuperação de pacientes com diferentes patologias, como a Covid-19 / Foto: Lucas Vilella/HSLPUCRS/Divulgação

O Serviço de Fisioterapia do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL), associado ao curso de Fisioterapia da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS, está aplicando um método inovador para a recuperação de pessoas internadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com sequelas da Covid-19. A reabilitação acontece com o usde tecnologias como realidade virtual, ou Virtual Reality (VR)além de eletroestimulação muscular e treinamento muscular ventilatórioAssim, é trabalhada a retomada da força físicado controle e da coordenação motora também e aspectos lúdicos. 

Com a VR, são apresentados conteúdos interativos que simulam situações reais e do cotidiano como pescarias, escaladas em montanhas e caminhadas na praia. Segundo a professora e chefe do serviço no HSL, Flávia Franzdurante a imersão nessas cenas, a equipe trabalha exercícios funcionais associados aos vídeos que os/as pacientes estão assistindo. “Estimulados assim, o paciente a elevar as mãos para jogar uma vara de pesca, subir até o cume, colocar os seus pés na areia e até caminhar à beira-mar. Tudo isso auxilia de forma importante na recuperação de sequelas”, explica. 

Junto à equipe de Fisioterapia do hospital, 18 estudantes do curso de Fisioterapia também realizam estágio na recuperação de pacientes com diferentes patologias, como a Covid-19. Coordenado pela professora Clarissa Blattner, o grupo do estágio curricular (com duração de três semestres) vivencia e aplica na prática o que foi aprendido em sala de aula. “O Serviço e a Universidade têm uma atuação integrada que possibilita esse tipo de experiência, enriquecendo a trajetória do aluno e o preparando de forma efetiva para o mercado de trabalho”, comenta Clarissa.  

O começo do projeto 

O projeto teve início após Clarissa propor o uso dos óculos de Realidade Virtual com o grupo de estudantes, há algumas semanas, e a partir disso, apresentou a ideia de implementar a atividade no hospital. No mesmo dia, um paciente em recuperação pós-Covid-19 utilizou o recurso e o retorno foi instantâneo. “Tanto a equipe como os alunos e professores ficaram encantados com o resultado. O que vimos foi a comprovação do que propõe a realidade virtual: a imersão e a interação, promovendo motivação para um trabalho de maior independência funcional aos pacientes”, conta Flávia. 

A fisioterapeuta ressalta que o paciente em questão logo ficou motivado a participar dos estímulos multissensoriais, como os visuais, auditivos e, sobretudo, emocionais. Clarissa acrescenta que com esse tipo de prática o processo de reabilitação se torna mais agradável para os/as pacientes: “apesar de não substituir outros processos inerentes à reabilitação, percebemos que além da vantagem física, a VR impacta na motivação e na adesão ao tratamento”. 

Após o início do projeto, que já atendeu muitas pessoas, o HSL adquiriu cinco novos óculos VR e entregou à coordenação da ação, para que mais pacientes possam utilizar o recurso simultaneamente. 

“Pescaria”, “caminhada na praia” e autoestima renovada  

A estudante Kellyn Gatto, que está no 9º semestre do curso de Fisioterapia, recorda o caso de um paciente de 72 anos que gostava muito de pescar e pode sentir novamente um pouco dessa paixão com o uso da Realidade Virtual. “Ele está internado desde dezembro e, para ajudar a sair um pouco do ambiente hospitalar, simulamos a prática da pesca. Ele pôde fazer o movimento de jogar a rede e puxar a linha, por exemplo, que ajuda a entreter e serve como motivação para realizar exercícios alternativos”, conta. 

Kellyn comenta que se interessou pela área ao acompanhar o tratamento do próprio avô, que teve câncer. Segunda ela, com a experiência de estagiar no HSL e atuar na recuperação de pacientes, pôde se aproximar do sonho de cuidar de outras pessoas. No futuro, a estudante espera realizar residência clínica, para trabalhar tanto com adultos quanto com crianças. 

Uma outra paciente utilizou a realidade imersiva na reabilitação após 75 dias de UTI e um quadro de 95% de comprometimento pulmonar causado pelo coronavírus, precisando de traqueostomia e de ventilação mecânica. Para ela, Flávia explica que a equipe utilizou imagens de praia e céu estrelado e lembra que a VR é uma ferramenta eficiente, mas não substitui as técnicas de reabilitação: 

“Com essa paciente, percebemos uma resposta muito significativa do controle cefálico e da motricidade fina, entre outros aspectos, na tentativa de interagir com o cenário. Hoje, ela já consegue controlar a cabeça, o tronco e apresenta simetria nos membros superiores, com maior coordenação. Além disso, notamos uma efetiva melhora em sua autoestima, pois, com esse controle, ela já consegue se comunicar de forma mais eficiente com a equipe e expressar seus sentimentos”. 

Saudade do ônibus e corrida simulada  

Foto: Lucas Vilella/HSLPUCRS/Divulgação

Outro caso relatado pela fisioterapeuta foi o de um paciente que passou 30 dias na UTI, também intubado, e que chegou a passar por uma traqueostomia após o intenso período de ventilação mecânica. Esse paciente relatou à equipe que era motorista de ônibus e que tinha muita saudade de dirigir. 

A equipe então carregou um vídeo de corrida de Fórmula 1 e o resultado foi emocionante. “Ele estava com a cabeça mais lateralizada para a esquerda com um déficit motor muito grande. Notamos imediatamente que ele começou a fazer os movimentos de direção com os membros superiores e a inclinar a cabeça para o outro lado nas ‘curvas’. Foi muito gratificante para a equipe perceber que, ao retirarmos o paciente do ambiente hospitalar, mesmo que figurativamente, passamos a ter um grande aliado no processo de reabilitação”. 

Atuação do Centro de Reabilitação 

Além do Serviço de Fisioterapia do HSL, a PUCRS também possui um Centro de Reabilitação (CR), um espaço de assistência integrada ao processo de ensino, pesquisa e extensão da Universidade. Com foco na atenção à saúde da pessoa como um todo, as ações programáticas do CR são interdisciplinares e também contam com a atuação de 21 estudantes do curso de Fisioterapia.

Cursos da área da Saúde reúnem ensino, pesquisa, assistência e inovação

Foto: Pexels

Existem diferentes formas de impactar a vida das pessoas e esse é um propósito compartilhado por muitos estudantes que querem ter carreiras significativas. A área da saúde, como você já deve imaginar, permite uma atuação de grande importância para a sociedade. É nesse campo que são pesquisados e desenvolvidos novos medicamentos e curas para doenças, por exemplo. E, durante a pandemia da Covid-19, o papel de profissionais da saúde que estão trabalhando na linha de frente e nos bastidores ficou ainda mais evidente. 

Saiba mais: Campus da Saúde: a vida no centro de tudo 

Com inscrições abertas para diferentes formas de seleção, os cursos da PUCRS são referência e contam com estrutura diferenciada e docentes de alto nível. Inscreva-se no Vestibular 2021 aqui para realizar a prova ou confira como aproveitar sua nota do Enem neste link. Com exceção do curso de Medicina, que fará a prova presencial, o Vestibular da PUCRS será realizado de forma online, em uma plataforma especializada. Saiba mais! 

Diferentes possibilidades de atuação 

A Escola de Ciências da Saúde e da Vida oferece dez cursos de graduação, alguns com possibilidade para a licenciatura: 

Biomedicina, Ciências Biológicas (bacharelado e licenciatura), Educação Física (bacharelado e licenciatura), Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Gastronomia, Nutrição, Odontologia e Psicologia. 

Além disso, a Escola de Medicina oferta o 2º melhor curso na área em todo o País segundo o MEC, com nota máxima no Enade, sendo o melhor entre as instituições de ensino privadas e o único do Rio Grande do Sul a alcançar nota máxima. 

Saiba mais: PUCRS é a universidade privada do Brasil com melhor desempenho no Enade nos cursos de Medicina e Enfermagem 

Estrutura completa para novas descobertas 

Além das Escolas, o Campus da Saúde da PUCRS conta com Parque Esportivo, Hospital São Lucas (HSL), Instituto do Cérebro (InsCer), BioHub, Centro de Reabilitação e, em breve, o Centro Interdisciplinar de Saúde. 

Compromisso com a comunidade 

Durante os primeiros meses da pandemia, profissionais e pesquisadores de diferentes áreas do Campus da Saúde atuaram no desenvolvimento de soluções multidisciplinarmente com Tecnopuc e as Escolas Politécnica e de Humanidades. 

Foram produzidas mais de 10 mil protetores faciais e criado um novo teste mais rápido e barato. Confira outros resultados neste link. 

Inscreva-se no Vestibular ou ingresse com o Enem!

banner-site-pucrs-907x550pxA ação O Brasil conta comigo, promovida pelo Ministério da Saúde, reúne alunos dos cursos de Medicina, Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia da PUCRS para prestar suporte no combate à Covid-19. A ideia do projeto é que instituições de ensino superior possam ajudar a reforçar de forma prioritária a atuação de profissionais no Sistema Único de Saúde (SUS).

Aproximadamente 300 alunos da PUCRS se inscreveram no edital do projeto. Para evitar que os participantes ficassem sem assistência, o PUCRS Carreiras e a Pró-Reitoria de Graduação e Educação Continuada (Prograd) criaram estratégias para auxiliar neste momento. O objetivo é também cuidar da saúde mental dos(as) estudantes envolvidos.

 

Cuidar de quem cuida

Consultores de carreira prepararam oficinas online em grupos como forma de acolher os estudantes, iniciativa batizada com o nome de Cuidar de quem cuida. Durante as oficinas, serão realizadas escutas qualificadas sobre as suas expectativas e formas de lidar com demandas cotidianas na luta contra o coronavírus. Também estão sendo produzidos materiais para as redes sociais com base na Cartilha de recomendações gerais, preparada pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (Cepedes), da Fiocruz.

Para a coordenadora do PUCRS Carreiras, Katia Almeida, a ação será de extrema importância para quem irá atuar na linha de frente. “Os alunos têm nos seus professores um auxílio para questões técnicas que enfrentarão nesse desafio. E o Carreiras será o suporte para questões emocionais, onde eles poderão compartilhar anseios e expectativas. Nosso compromisso é ser o elo entre a Universidade e o mundo do trabalho”, ressalta.

Quem já se inscreveu no edital pode participar das oficinas através do passo a passo do PUCRS Carreiras. Clique aqui para conferir. Acompanhe as novidades nas redes sociais, pelo Facebook, Instagram e LinkedIn!

ergonomia,home office,coronavírus,quarentena,fisioterapia,trabalho em casa, estudos em casa,dicas de home office,dcas de ergonomia

Postura, luminosidade do ambiente e posicionamento dos equipamentos são pontos a serem observados / Foto: Pexels

Em tempos de quarentena, ter um ambiente adequado para estudar ou trabalhar em casa auxilia a manter a saúde mental e física em dia. Alguns cuidados simples fazem toda a diferença para um home office mais confortável e saudável. É importante estar atento em relação à postura, à luminosidade do espaço onde as tarefas costumam ser desempenhadas e ao posicionamento do computador e demais equipamentos utilizados durante o expediente, por exemplo.

Seguir a rotina como se estivesse saindo para estudar ou trabalhar pode ser o primeiro passo para manter a qualidade de vida no home office. Para o professor do curso de Fisioterapia da Escola de Saúde e da Vida e Líder da Fisioterapia do Centro de Reabilitação HSL/PUCRSPedro Henrique Deon, trocar de roupa, tomar café da manhã e se preparar para a jornada de trabalho ou estudo ajuda a manter o foco nas atividades. “Outra sugestão é que se respeite os horários de pausa e de refeição que você teria no ambiente físico. Essas atitudes ajudam a desenvolver um comportamento de trabalho”, pontua.

Saiba mais: Rotina em casa: gerenciar o tempo auxilia a manter a produtividade

Sofá só para as horas de lazer

Estando em casa, nem sempre é fácil resistir à tentação de trabalhar no sofá. Porém, segundo o professor Deon, além de descaracterizar um ambiente de trabalho, o sofá não permite um alinhamento adequado da coluna vertebral para se trabalhar com um notebook, por exemplo. “Esse hábito é contraindicado, pois pode resultar em dores na região cervical e lombar”, destaca.

Ainda em relação a quem utiliza notebook, o ideal seria contar com teclado e mouse extras, uma vez que ele foi criado originalmente para trabalhos em ambiente externo ou de transporte. “Para realizar uma atividade que demanda um tempo prolongado de trabalho, esses acessórios são importantes para a saúde postural”, indica.

Dentro do possível, mexa-se

Antes, durante e depois do expediente, é importante realizar alguns exercícios de alongamento, pois isso permite que o corpo tolere a postura de trabalho. Além disso, Deon sugere intervalos ou pausas rápidas durante o dia. “Cerca de 10 a 15 segundos são suficientes para mudar a nossa postura de trabalho, espreguiçar ou realizar um alongamento. Se você trabalha sentado, levante-se e estique seu corpo. Se trabalha em pé, agache-se e relaxe suas costas. Esses comportamentos fazem com que a atividade seja mais produtiva e evita dores indesejadas”, recomenda o professor, pontuando que, quem utiliza notebook e não possui teclado e mouse extras, deve realizar essas pausas com ainda mais frequência.

Confira algumas sugestões de alongamentos para serem feitos ao longo do dia:

ergonomia,home office,coronavírus,quarentena,fisioterapia,trabalho em casa, estudos em casa,dicas de home office,dcas de ergonomia

Leia também: Exercícios físicos são benéficos no combate ao estresse

Dicas simples de ergonomia para seu home office

Pensando na importância da ergonomia para a saúde de quem está trabalhando em casa durante a quarentena, a equipe de Segurança do Trabalho da Gerência de Gestão de Pessoas da PUCRS elaborou um material com dicas para organizar da melhor maneira um escritório em casa. Confira abaixo algumas delas, juntamente com recomendações do professor Deon:

Para o uso de computador desktop

Para o uso de notebooks

Para o ambiente