Fortalecer a educação é fortalecer o nosso futuro. E para continuar promovendo ainda mais a profissionalização da área, a PUCRS oferece, conforme previsto no edital 66/2021, do Ministério da Educação, bolsas integrais remanescentes para cursos de licenciatura em Pedagogia, Letras – Língua Portuguesa e Ciências Biológicas, incentivando o desenvolvimento de novos talentos e ampliando as oportunidades.

Quem pode participar?    

No ato da matrícula, é preciso comprovar o vínculo com uma instituição. As bolsas previstas no Edital são válidas somente para ingresso no curso no primeiro semestre de 2024, conforme calendário acadêmico da PUCRS. 

Como faço para me inscrever?   

As inscrições são gratuitas e deverão ser realizadas somente de forma presencial, mediante entrega dos documentos exigidos no Edital, junto ao Núcleo de Serviços da Coordenadoria de Registro Acadêmico, localizado no térreo do prédio 15, na Central de Atendimento ao Aluno da PUCRS, de 1º a 23 de fevereiro de 2024, das 8h às 20h. O processo de ingresso será exclusivamente via transferência. Os documentos referentes às normas para os cursos de bolsas licenciaturas podem ser conferidos no edital.   

Compromisso com o incentivo à educação   

A PUCRS, por meio de uma rede formada com Universidade La Salle (Unilasalle) e a Universidade Federal de Alagoas (UFAL), está entre as selecionadas por meio do edital 66, do Ministério da Educação (MEC). Os currículos contemporâneos, com forte caráter interdisciplinar e com inserção no ambiente escolar do primeiro ao último semestre dos cursos oferecidos pelas Instituições foram significativos para a escolha das universidades.    

O projeto, aprovado pelo MEC, contou com o incentivo das Secretarias de Educação do Estado do Rio Grande do Sul e dos municípios de Porto Alegre e Guaíba, por meio de cartas de apoio, estabelecendo o compromisso de estimular seus docentes, sem formação superior, a participarem do processo.  

Os cursos de licenciaturas são presenciais, contando também com disciplinas online e práticas desde o início do curso, que devem ser realizadas na rede pública ou conveniada. Todos os/as candidatos/as ao edital, no momento da matrícula, devem se comprometer a completar o curso em 4 anos.  

A PUCRS também disponibiliza aos estudantes consultoria de carreira, orientação psicossocial, escuta e acompanhamento gratuitos. Além disso, a Universidade conta com programas de pesquisa e internacionalização. Conheça todos os diferenciais 

Serviço  

Bolsas para licenciaturas na PUCRS:

As bolsas de licenciatura PUCRS 2024 estão previstas no edital número 66/2021 do Ministério da Educação que visa a implementação do Programa Institucional de Fomento e Indução da Inovação da Formação Inicial Continuada de Professores e Diretores Escolares.  

SAIBA MAIS SOBRE AS BOLSAS LICENCIATURA

Fortalecer a educação é fortalecer o nosso futuro. E para continuar promovendo ainda mais a profissionalização da área, a PUCRS oferece, conforme previsto no edital 66/2021, do Ministério da Educação, bolsas integrais remanescentes para cursos de licenciatura em Pedagogia, Letras – Língua Portuguesa e Ciências Biológicas, incentivando o desenvolvimento de novos talentos e ampliando as oportunidades. 
 

Quem pode participar?    

No ato da matrícula, é preciso comprovar o vínculo com uma instituição. As bolsas previstas no Edital são válidas somente para ingresso no curso no primeiro semestre de 2024, conforme calendário acadêmico da PUCRS. 

Como faço para me inscrever?   

As inscrições são gratuitas e deverão ser realizadas somente de forma presencial, mediante entrega dos documentos exigidos no Edital, junto ao Núcleo de Serviços da Coordenadoria de Registro Acadêmico, localizado no térreo do prédio 15, na Central de Atendimento ao Aluno da PUCRS, até o 19 de janeiro de 2024, das 8h às 20h.  

O processo de ingresso será exclusivamente via transferência. Os documentos referentes às normas para os cursos de bolsas licenciaturas podem ser conferidos no edital.   

Compromisso com o incentivo à educação   

A PUCRS, por meio de uma rede formada com Universidade La Salle (Unilasalle) e a Universidade Federal de Alagoas (UFAL), está entre as selecionadas por meio do edital 66, do Ministério da Educação (MEC). Os currículos contemporâneos, com forte caráter interdisciplinar e com inserção no ambiente escolar do primeiro ao último semestre dos cursos oferecidos pelas Instituições foram significativos para a escolha das universidades.    

O projeto, aprovado pelo MEC, contou com o incentivo das Secretarias de Educação do Estado do Rio Grande do Sul e dos municípios de Porto Alegre e Guaíba, por meio de cartas de apoio, estabelecendo o compromisso de estimular seus docentes, sem formação superior, a participarem do processo.  

Os cursos de licenciaturas são presenciais, contando também com disciplinas online e práticas desde o início do curso, que devem ser realizadas na rede pública ou conveniada. Todos os/as candidatos/as ao edital, no momento da matrícula, devem se comprometer a completar o curso em 4 anos.  

A PUCRS também disponibiliza aos estudantes consultoria de carreira, orientação psicossocial, escuta e acompanhamento gratuitos. Além disso, a Universidade conta com programas de pesquisa e internacionalização. Conheça todos os diferenciais 

Serviço  

Bolsas para licenciaturas na PUCRS   

As bolsas de licenciatura PUCRS 2024 estão previstas no edital número 66/2021 do Ministério da Educação que visa a implementação do Programa Institucional de Fomento e Indução da Inovação da Formação Inicial Continuada de Professores e Diretores Escolares.  

Saiba mais sobre as bolsas licenciatura

Pesquisador Alexandre Anselmo Guilherme publica livro sobre os desafios da atuação dos professores/ Foto: Bruno Todeschini

O professor e pesquisador da Escola de Humanidades da PUCRS, Alexandre Anselmo Guilherme, organizou o livro Formação de Professores ao redor do mundo: desafios e oportunidades, publicado recentemente pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco-Brasil) e pela Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília (UCB). O docente foi editor em conjunto com o professor Renato de Oliveira Brito, da UCB, no projeto que envolveu 13 países para discutir a formação, condições de trabalho e carreira dos professores em escala global.  

A obra debate o contexto educacional, político, social e cultural mundial, apresentando experiências de pesquisadores vinculados às universidades de liderança mundial do Brasil, Chile, Canadá, Noruega, Suécia, Finlândia, Reino Unido, Índia, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e Israel. O objetivo do livro é demonstrar os desafios e oportunidades de desenvolvimento desses respectivos sistemas de educação, ampliando as discussões de forma acessível, com distribuição gratuita em português e inglês. A obra pode ser conferida aqui. 

Alexandre conta que a oportunidade de construir a publicação surgiu através de sua atuação no Ministério da Educação, onde trabalhou com o professor Renato. A partir desta relação, eles se uniram para construir o projeto em rede com contatos internacionais e com o incentivo da Unesco e da Cátedra em Brasília. 

Bernardete Gatti, pesquisadora de Educação da Fundação Carlos Chagas Instituto de Estudos Avançados (Universidade de São Paulo), foi responsável pela apresentação do livro, onde destacou a importância da escolarização básica de grandes parcelas das populações em diferentes países. Conforme a docente explica na introdução, os profissionais da educação cumprem papéis importantes no processo de formação das novas gerações, proporcionando a participação social e cidadã efetiva destes jovens em uma vida em comunidade.  

“Compreender e discutir a formação, as condições de trabalho e carreira dos professores, e, em decorrência sua configuração identitária profissional, se torna importante para políticas e ações formativas que aportam qualidade aos processos educacionais que se realizam nos cotidianos escolares, nos seus diversos contextos e níveis”, destaca Bernardete. 

Leia também: Sandra Einloft, decana da Escola Politécnica, recebe título de Doutora Honoris Causa

Alexander Goulart é jornalista, licenciado em Ciências Sociais, doutor em Comunicação (PUCRS) e Chefe do Gabinete da Reitoria da PUCRS

O poeta gaúcho Carlos Nejar diz que “o ser só morre quando já morreram todas as suas palavras”. Talvez, por isso, alguns professores permaneçam sempre presentes em nossas lembranças, não importando quanto tempo já tenha se passado desde a última aula. Há educadores que marcam profundamente seus alunos: seres que nunca morrem, ganham vida a cada história que contamos e recontamos “do tempo da escola”, da universidade, de uma circunstância privilegiada em que um mestre tenha nos alcançado a mente e o coração.

O momento feliz, em educação, acontece quando professores e estudantes se encontram. Quando carregado de sentido para ambos, esse instante privilegiado se transforma em um momento feliz. Corações no mesmo compasso, mentes conectadas, vidas entrelaçadas pela experiência do compartilhamento de ideias e sensações. O saber se conjuga com o sabor e a sabedoria tem campo aberto para ser cultivada.  

É o sublime encontro humano entre professor e estudante que dá sentido aos dois ofícios: de educador e educando. Encontro feliz, carregado de intencionalidades, de desejo, curiosidade e confiança. Nas palavras de Rubem Alves, juntam-se as caixas de ferramentas e de brinquedos; há tempo para o saber aplicado (útil) e aquele voltado para o prazer. Ambas as formas de conhecimento são válidas e necessárias. O professor apaixonado por seu ofício e feliz na vocação não abre mão do prazer dos conhecimentos inúteis e dos conteúdos aplicados.

Ele desenvolve em seus alunos competências nas múltiplas dimensões do saber e do sabor. Num tempo em que tanto se pergunta “para que serve isso?”, o professor-educador tem a coragem de responder: “não serve para nada”. É justamente essa inutilidade que faz toda a diferença para o gostar de aprender e de ensinar, pois, em educação, saber e sabor andam juntos, independentemente da ordem em que apareçam. Nessa frágil liberdade de encaixe e desencaixe reside a felicidade do encontro entre professor e estudante, cada qual tecendo o seu jeito de aprender a ser feliz.    

Alexander Goulart
Professor e jornalista

*Conteúdo publicado originalmente no Correio do Povo.

olimpismo esporte e educação

Nelson Todt, professor da Escola de ciências da Saúde e da Vida, é um dos coordenadores do curso/ Foto: Camila Cunha

A PUCRS está lançando uma nova pós-graduação lato sensu criada especialmente para quem quer se aprofundar na temática esportiva e no universo Olímpico: a especialização Esporte, Educação e Olimpismo, promovida pela Escola de Ciências da Saúde e da Vida. O curso é indicado principalmente para profissionais das áreas de Educação Física, Esporte, Ciências da Educação, Ciências Humanas e Ciências Sociais.  

A proposta abrange aspectos educacionais, formativos, sociais, ecológicos e operacionais do esporte, e visa conhecer, refletir e agir sobre essa realidade, promovendo também reflexões e ações acerca do movimento Olímpico atual. 

Outro diferencial da especialização é o seu caráter internacional. Com um corpo docente composto por professores de várias partes da América Latina e também da Europa, o curso conta com dupla coordenação: o professor Nelson Todt, do Brasil, e Daniel Gustavo de la Cueva, da Argentina. Conversamos com os coordenadores para entender tudo sobre a proposta. Confira: 

Interdisciplinaridade e relevância social 

O Olimpismo se trata de uma filosofia olímpica de vida, que se utiliza do esporte como base para promover valores como a paz, a união, o respeito às regras e a adversários e o respeito às diferenças étnicas, culturais e religiosas. Para Nelson, a filosofia do Olimpismo vem a calhar em um contexto de crise de valores globais: 

“O Olimpismo tem se mostrado uma importante ferramenta para oferecer contrapontos a este contexto, utilizando-se do Esporte e da Educação como principais elementos. O curso caminha na direção de oferecer uma formação para profissionais destas áreas (e outras afins) a partir de temas atuais e que, de alguma forma, se apresentam em escala global”, pontua. 

O curso é dividido em três eixos temáticos de aprendizagem: História Olímpica, Pedagogia Olímpica e Filosofia Olímpica. Esses eixos, segundo Todt, se intercalam criando uma base sólida para discussões de grande relevância para a sociedade moderna, oferecendo elementos para o desenvolvimento de propostas voltadas para um desenvolvimento humano harmonioso e uma sociedade mais justa e fraterna. 

Já na visão de Daniel, os três eixos são pontos de vista diferentes sobre uma força sociológica que pode ser a mais notável dos últimos dois séculos. Ele explica que o conceito que une o conhecimento da história e da filosofia olímpica está em desenvolvimento desde a Grécia clássica. 

Um instrumento de transformação global 

olimpismo esporte e educação

Foto: Pexels

Nelson, que coordena o Grupo de Pesquisa em Estudos Olímpicos da Escola de Ciências da Saúde e da Vida, explica que o Olimpismo é não apenas uma filosofia esportiva, mas uma filosofia de vida. “A ideia é que a prática destes valores ultrapasse as fronteiras das arenas esportivas e influencie a vida de todos em ambientes educacionais, coorporativos e esportivos.” 

Conectados aos desafios globais, os ensinamentos do curso têm um alto grau de importância na concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e princípios ESG (Environmental, Social and Governance) da Organização das Nações Unidas (ONU), que há muito tempo reconhece a importância do esporte para o desenvolvimento da paz. A colaboração entre a ONU e o Comitê Olímpico Internacional (COI) vem promovendo a difusão da aceitação do esporte como meio de promover objetivos de desenvolvimento acordados internacionalmente. 

Em 2015, em um momento histórico para o esporte e para o Movimento Olímpico, o esporte foi oficialmente reconhecido como um “importante facilitador” do desenvolvimento sustentável e incluído na Agenda 2030 da ONU. A Agenda estabeleceu onze princípios de desenvolvimento sustentável, entre eles estão: garantir educação inclusiva e de qualidade para todos; tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis; e promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável. “Boa parte dos temas nortearão as discussões propostas neste curso”, destaca o professor Todt. 

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos de Paris, que ocorrem em 2024, é de se esperar que surjam novos temas para o debate sobre o Olimpismo. Entre eles, Daniel de la Cueva destaca alguns assuntos, como a perspectiva de gênero: 

“Isso deve fazer parte de uma perspectiva integral de alto desempenho, gerando um tratamento mais profundo e equitativo e lidando em particular com as questões de intersexualidade e transexualidade. Protegendo a perspectiva de gênero, por um lado, mas não prejudicando o esporte para as mulheres”, comenta o coordenador. 

Ele também chama a atenção para consequências do conflito entre Rússia e Ucrânia: 

“Pode significar um problema real que já é anunciado desde o seio do movimento olímpico. Todos os atletas russos e da Bielorrússia estão suspensos de competições esportivas olímpicas, embora os períodos de classificação para os jogos de 2024 Paris já tenham começado. Uma equipe de atletas olímpicos de refugiados participará novamente, que será protegida pelo COI”, explica. 

Internacionalização da trajetória acadêmica 

olimpismo esporte e educação

Foto: Unsplash

Em uma especialização que debate temas tão plurais e internacionais como esporte e Olimpismo, um corpo docente composto por professores internacionais é um ponto forte. O curso vai contar com a participação não só de professores da América Latina, mas também da Europa. Nelson destaca a importância da presença desses especialistas no curso, que, por ser online, facilitará a integração e proporcionará um raro ambiente internacional de especialistas e estudantes. 

A PUCRS hoje é uma referência no âmbito dos Estudos Olímpicos. A rede criada pelas ações do Grupo de Pesquisa em Estudos Olímpicos e do Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin, ambos com sede na Universidade, para além do prestígio global, gerou um importante protagonismo na América Latina”, comenta. 

Daniel, que coordena o curso juntamente com Nelson, conta como surgiu a vontade de montar um curso com especialistas internacionais. 

Compartilho com Nelson o interesse, a dedicação especial e a vocação acadêmica para estudos olímpicos, mas em particular para a educação olímpica e o olimpismo, a filosofia da ideologia de Pierre de Coubertin. Seguindo a proposta acadêmica de outras universidades, decidimos formalizar e dar status formal a essa especialização.” 

Presidente do Comitê Pierre de Coubertin da Argentina, de la Cueva destaca as contribuições de sua trajetória à frente da organização aos temas presentes no curso. Como colega de Nelson, ambos geraram espaços de trabalho conjunto harmoniosos, cooperaram e ocuparam constantemente o local do membro correspondente para América Latina do Comitê. “Cuidamos de espalhar e viralizar a figura, o trabalho e o legado de Pierre de Coubertin na América Latina. Atividades regionais constantes são geradas e participamos ativamente de outros centros internacionais, sejam acadêmicos ou institucionais.” 

INSCREVA-SE NA ESPECIALIZAÇÃO EM Olimpismo, ESPORTE, EDUCAÇÃO

Foto: Divulgação

Como principal evento de economia criativa e inovação do mundo, o South by Southwest (SXSW) teve sua primeira edição em 1987 e, desde então, vem influenciando o futuro de negócios, das profissões e da educação. Além da participação do Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), já tradicional no evento realizado anualmente em Austin, capital do Texas, neste ano o vice-reitor da Universidade, Ir. Manuir Mentges, também integra a missão da Associação Brasileira das Instituições Comunitárias de Educação Superior (ABRUC).  

Além de participar da conferência, os integrantes da missão visitarão universidades locais para conhecer práticas e experiências em diferentes áreas, o que possibilita firmar ações de cooperação internacional. Enfrentar o que está no horizonte da educação e do ensino superior requer definir intenções para o futuro enquanto se faz o melhor também no presente. Na edição 2023, o Festival SXSW EDU, do qual o vice-reitor participará mais ativamente, terá cerca de 400 plenárias e sessões sobre temas diversos, pensados por e para educadores, empreendedores, e pessoas que atuam com inovação na área de educação em todo o mundo.  

“Participar de SXSW EDU é uma oportunidade única para acessar as últimas tendências em educação, além de conhecer outras e novas perspectivas. Isso nos conecta com ainda mais universidades mundo afora e nos inspira para novas ações que possam contribuir com nosso novo ciclo de Planejamento Estratégico, pois buscamos ser uma nova universidade para uma nova sociedade, reconhecida pelo seu impacto e relevância”, destaca Ir. Manuir Mentges.  

Leia também: PUCRS marcará presença no SXSW 2023 

Soluções para uma nova geração de estudantes 

A educação – o aprendizado de forma mais ampla – é uma experiência humana impulsionada pela comunidade em que se está inserido/a e por todas as partes envolvidas no desenvolvimento de uma pessoa. Tem o poder de moldar as gerações futuras e é essencial para a sociedade como um todo. Com essa visão, a programação do SXSW EDU reúne uma comunidade ansiosa para construir entendimento e buscar soluções para a próxima geração de alunos/as e na curadoria de temas desse ano estão: audácia/coragem, imaginação, convergência e evolução.  

SXSW EDU 2022: sinais de um futuro que já chegou  

Foto: Luis Fortes/ MEC

Em dezembro, o Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB), lançou os Parâmetros Nacionais para a Internacionalização na Educação Básica no Brasil, o guia de Internacionalização na Educação Básica: Práticas no Contexto Brasileiro e apresentou o aplicativo Escolas pelo Mundo, que busca reunir as práticas de internacionalização já implementadas nas escolas de todo o país. As ações partiram da Diretoria de Formação Docente e Valorização dos Profissionais da Educação (DIFOR) do MEC, coordenada pelo professor dos cursos de pós-graduação da PUCRS Online Renato de Oliveira Brito. 

As iniciativas passaram também pela Coordenação-Geral de Formação Professores da Educação Básica, que tem como coordenador geral o professor da Escola de Humanidades da PUCRS Alexandre Anselmo Guilherme, que contribuiu com a elaboração dos documentos para a educação brasileira. A equipe responsável contou com a coordenação da pesquisadora da Escola Marilia Morosini, com a atuação da doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Vanessa Gabrielle Woicolesco e da professora da Universidade Federal de Santa Catarina Luciane Stallivieri.  

O objetivo era construir uma proposta de ações de internacionalização da Educação Básica brasileira, originada a partir de um ciclo de discussões globais sobre a importância do intercâmbio educacional de boas práticas na formação inicial dos estudantes. O desenvolvimento dos Parâmetros Nacionais busca auxiliar na reflexão e na construção de novas práticas pedagógicas, novas trilhas de ensino e de aprendizagem que busquem o desenvolvimento de competências internacionais e interculturais para interação e integração de estudantes, professores, demais profissionais da educação e da comunidade escolar em uma sociedade plurilíngue e multicultural.  

PUCRS é protagonista  

Os Parâmetros Nacionais foram desenvolvidos com base em reflexões sobre o momento educacional brasileiro e mundial, nas experiências de Internacionalização existentes em escolas brasileiras e no conhecimento de especialistas e pesquisadores que trabalharam de forma colaborativa para apresentar propostas e propor formas de internacionalizar a Educação Básica do país. A metodologia se deu por meio das parcerias com pesquisadores responsáveis pela elaboração de políticas brasileiras para a Educação Básica, agências de fomento, organismos nacionais e internacionais, representantes de escolas de Educação Básica, entre outros.  

Foto: Luis Fortes/ MEC

Desta forma, a equipe responsável organizou quatro seminários temáticos, que trataram respectivamente do Conceito da Internacionalização na Educação Básica, Contexto educacional brasileiro e a formação de professores, Estratégias para a Internacionalização na Educação Básica e da Avaliação e monitoramento da Internacionalização na Educação Básica. Neste último participaram as professoras da Escola de Ciências da Saúde e da Vida Carla Bonan e Monica Ryff Vianna que contribuíram com as reflexões que subsidiaram a elaboração do documento com estratégias e resultados do Projeto Institucional de Internacionalização da PUCRS (PUCRS-PrInt) e suas possíveis aplicabilidades. 

A concepção de cada parâmetro considerou as diferentes realidades e contextos educacionais brasileiros, os diferentes repertórios linguísticos e manifestações culturais, valorizando o plurilinguismo e a multiculturalidade tão presentes na formação da sociedade brasileira. Foram levadas em contas nos Parâmetros Nacionais as escolas de fronteira, escolas indígenas, escolas ribeirinhas, escolas rurais, escolas quilombolas, educação de jovens e adultos, escolas regulares, escolas internacionais, escolas bilíngues, escolas com currículos internacionalizados, entre outras.  

De acordo com a professora Marília Morosini a relevância da Internacionalização na Educação Básica está no olhar atento para a formação, oportunizando que todos os seus estudantes, professores e demais profissionais estejam expostos a situações em que os conhecimentos internacionais e interculturais sejam aplicados. A docente complementa destacando que os Parâmetros Nacionais buscam valorizar os ambientes educacionais internacionalizados já existentes e para subsidiar a construção de novos, fomentar a reflexão sobre práticas pedagógicas que observem os critérios necessários para o desenvolvimento das competências internacionais e interculturais e para a formação de cidadãos globais.  

“Dessa forma, a escola cumpre com o seu papel fundamental de formar para o exercício da cidadania global e qualificação para o trabalho, preparando cidadãos conscientes da sua responsabilidade no desenvolvimento de uma sociedade crítica, mas acolhedora para todos os repertórios linguísticos e culturais apresentados por aqueles que nela convivem”, finaliza a pesquisadora. 

A cerimônia de lançamento dos Parâmetros para a Internacionalização na Educação Básica, do guia Internacionalização na Educação Básica: práticas no contexto brasileiro e do app Escolas pelo mundo foi realizada no dia 13 de dezembro de 2022 na Sede do Ministério da Educação em Brasília e está disponível no Youtube do Ministério da Educação 

Foto: Giordano Toldo

No dia 2 de janeiro de 1817, Marcelino Champagnat dava início à Missão Marista no mundo, acolhendo os primeiros discípulos na pequena casa da Paróquia em La Valla. Natural do interior da França, Champagnat passou por uma série de desafios nos estudos durante a infância. Ao perceber que a realidade da Educação era precária para muitos, sentiu a urgente necessidade de transformar esse cenário. Foi a partir desse desejo de mudança e de proporcionar, mesmo com pouco dinheiro, uma educação de qualidade para as zonas rurais e para os mais necessitados, que fundou o Instituto Marista.  

Em sua biografia, escrita por João Batista Furet, é possível perceber que a educação integral já estava pautada na proposta educativa marista desde a sua origem.  

“Ao fundar o Instituto, o Padre Champagnat não tencionava dar aos meninos apenas a instrução primária, nem apenas ensinar-lhes as verdades da fé. Dizia: ‘nosso objetivo, contudo, é mais abrangente. Queremos educar as crianças, isto é, instruí-las sobre seus deveres, ensinar-lhes a praticá-los, infundir-lhes o espírito e os sentimentos do cristianismo, os hábitos religiosos, as virtudes do cristão e do bom cidadão”, descreve João Batista, em 1999. 

Celebrar esse legado bicentenário nos impulsiona a renovar o compromisso com o sonho de Champagnat. Ser marista no mundo atual é continuar essa missão com sensibilidade, audácia e esperança, fazendo do seu serviço um testemunho para a construção de um mundo melhor. 

Leia também: Dia do Marista motiva a reflexão sobre a continuidade da missão 

ediPUCRS

Com mais de 30 anos de história, ediPUCRS tem amplo catálogo de publicações em diferentes áreas do conhecimento / Foto: Divulgação

Desde 1988, a Editora Universitária da PUCRS (ediPUCRS) apresenta publicações de excelência científica, cultural, social, literária ou didática em diferentes áreas do conhecimento. Dentre seus títulos estão 20 periódicos científicos, em mídia eletrônica, que seguem os princípios recomendados pela Committee on Publication Ethics (COPE) e são de livre acesso à sociedade através do Portal de Periódicos da PUCRS.

A ediPUCRS tem como objetivo publicar obras sobre temas contemporâneos e/ou resultantes de pesquisas acadêmicas, com caráter de divulgação científica, de todas as áreas do conhecimento. Como o livro “Comunicação, infância e imaginário”, da professora Juliana Tonin, apresentado durante a 68ª Feira do Livro de Porto Alegre. Os periódicos contam com o Digital Object Identifier (DOI), código identificador importante para maior inserção, disseminação e divulgação dos periódicos.

Conheça alguns dos periódicos nas áreas de Filosofia, História, Ciências Sociais, Serviços Sociais e Educação:

Periódicos das Humanidades

Caderno Marista de Educação: O Caderno Marista de Educação é um periódico científico da Gerência Educacional e está vinculado à Escola de Humanidades da PUCRS. Tem como principal foco promover a discussão de temáticas relacionadas à Educação Básica, a saber: formação de professores, currículo, aprendizagem, gestão escolar, tecnologias, inclusão, metodologias e políticas educacionais, bem como outras temáticas que envolvam a educação básica. Editor(a): Ederson Luiz Locatelli.

Civitas: revista de Ciências Sociais: é um periódico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUCRS, editado sob a direção da Edipucrs. A Revista publica artigos inéditos em Ciências Sociais que contribuam para o aprimoramento teórico, metodológico e/ou empírico da área. Editor(a): André Ricardo Salata e Fernanda Bittencourt Ribeiro.

Conversas & Controvérsias: Conversas e Controvérsias é um periódico semestral do curso de graduação e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUCRS, editado sob a direção da Edipucrs. Voltada para a produção científica discente, a revista publica artigos inéditos em Ciências Sociais de autoria de graduandos que contribuam para o aprimoramento teórico, metodológico e/ou empírico da área. Editor(a): Augusto Neftali C. de Oliveira.

Educação: A Revista Educação veicula textos relativos à área da Educação, sendo publicados artigos originais, resenhas de artigos, relatos de casos e entrevistas nos idiomas português, espanhol e inglês, do Programa de Pós-Graduação em Educação. Editora: Andréia Mendes dos Santos.

Educação Por Escrito: A revista Educação por Escrito, criada em 2010, é a revista científica discente do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS. Nela constam artigos originais, resenhas de artigos, relatos de casos, relatos de experiências e entrevistas na área de Educação. Editor: Alexandre Anselmo Guilherme.

Estudos Ibero-Americanos: A revista Estudos Ibero-Americanos (EIA) publica textos relativos à área de História, mas a publicação também aceita contribuições relevantes de outras áreas das Ciências Humanas, como Filosofia, Ciências Sociais e História da Educação. Editores: Luciana Murari e Tatyana de Amaral Maia.

Intuitio: A Intuitio é uma revista científica discente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Escola de Humanidades da PUCRS. São publicados textos relativos à área de Filosofia, abordando como principais temáticas Ética e Filosofia Política, bem como Metafísica e Epistemologia. Editor: Fabio Caprio Leite de Castro.

Oficina do Historiador: A Oficina do Historiador, instituída em 2009, é a revista discente do Programa de Pós-Graduação em História da Escola de Humanidades da PUCRS. São publicados textos originais relativos à área de História, estando aberta também para contribuições relevantes de outras áreas das Ciências Humanas, produzidos por pesquisadoras/es graduadas/os e pós-graduadas/os, na forma de artigos, resenhas de livros e entrevistas. Editora: Marlise Regina Meyrer.

Revista FAMECOS: A Revista Famecos: Mídia, Cultura e Tecnologia, criada em 1994, é a revista científica oficial do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Escola de Comunicação, Arte e Design da PUCRS. Publica textos relativos à área de Comunicação Social, nos temas do Jornalismo, Cinema, Imaginário, Cibercultura, Audiovisual, Mídia e Cultura, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas, Comunicação Social, Comunicação Empresarial e Design. EditorA: Beatriz Corrêa Pires Dornelles.

Teocomunicação: A Teocomunicação, instituída em 1970, é a revista científica do Programa de Pós-Graduação em Teologia da Escola de Humanidades da PUCRS. A revista apresenta textos relativos à área de Teologia e outras produções científicas relevantes para essa área do conhecimento, sendo publicados artigos originais, resenhas e recensões de livros. Editor(a): Tiago de Fraga Gomes.

Textos & Contextos (Porto Alegre): A Textos & Contextos, instituída em 2002, é uma revista científica do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS) da Escola de Humanidades da PUCRS. Suas publicações contêm textos relativos à área de Serviço Social, mas também está aberta para contribuições relevantes de outras áreas das Ciências Humanas e Sociais, sendo publicados artigos originais e relatos de casos. Editora: Jane Cruz Prates.

Veritas (Porto Alegre): A Veritas, criada em 1955, é o periódico científico oficial do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Escola de Humanidades da PUCRS. O escopo do periódico consiste em publicar artigos científicos relativos à área de Filosofia, segundo a temática do respectivo número, e conteúdos interdisciplinares, recebendo artigos originais, resenhas, traduções e entrevistas. Editor(a): Nythamar Fernandes de Oliveira.

educação empreendedora, tecnopuc anywhere

Foto: Divulgação Tecnopuc

Com o objetivo de fortalecer o projeto estratégico da PUCRS na área de inovação e empreendedorismo, a Universidade, por meio do seu Parque Científico e Tecnológico (Tecnopuc), lançou um projeto neste ano para modernizar e expandir a atuação do Parque. A ação, denominada Tecnopuc Anywhere, terá sua primeira ação internacional com foco na educação empreendedora.  

A iniciativa será realizada em parceria com a Universidade da Califórnia Irvine (UCI) e inclui a implementação de uma versão conjunta do Beall and Butterworth Product Design Competition, programa de empreendedorismo da UCI. A competição estudantil anual incentiva a criação de novas tecnologias ou soluções para problemas de design atuais com potencial para comercialização. 

Nesta primeira edição, a interação envolverá estudantes da Escola Politécnica da PUCRS e empreendedores do ecossistema Tecnopuc que formarão equipes com estudantes das escolas de Engenharia, Ciências da Informação e da Computação da UCI. Os participantes receberão mentorias realizadas por professores e profissionais do mercado e estarão envolvidos na solução de problemas reais juntos.  

“Os participantes trabalharão em projetos e, ao final, os vencedores receberão um prêmio com a possibilidade de ir ao exterior visitar o outro país. Ou seja, os brasileiros visitarão e conhecerão a UCI e os americanos explorarão a PUCRS e o Tecnopuc”, explica Leandro Pompermaier, gerente de relacionamentos e negócios do Tecnopuc. 

Sobre a competição 

educação empreendedora

Foto: Bruno Todeschini

Um dos benefícios da competição é a troca de experiências e visões diferentes para um mesmo problema ao qual esses alunos serão expostos. Magnus Egerstedt Stacey Nicholas, decano da Escola de Engenharia da UCI, comenta que muitas das maiores questões enfrentadas hoje são de escopo global. 

“Estou muito empolgado com o lançamento desta iniciativa conjunta, pois permitirá que nossos alunos tenham experiências internacionais e formem conexões importantes. Esta iniciativa promove o empreendedorismo sem fronteiras e desafia nossos alunos a pensar e agir globalmente”, afirma MariosPapaefthymiou, decano da DonaldBren Escola de Ciências de Informação e Ciência da Computação da UCI.

Segundo Rafael Chanin, líder do Tecnopuc Startups, a competição contará com mentorias, workshops e palestras de profissionais ligados às duas universidades. Ao final, os participantes apresentarão seus projetos para uma banca em um pitch day. Para Chanin, a ação é uma versão internacional do Startup Garage, o programa de desenvolvimento de negócios do Parque.  

Tecnopuc Anywhere possui duas frentes de atuação, uma voltada para a globalização da educação empreendedora e outra que visa desenvolver negócios globais conectando startups e empreendedores a investidores e empresas de grandes centros, como Estados Unidos e São Paulo.   

Na frente de desenvolvimento de startups, projetos e programas, a proposta é conectar esses empreendimentos com investidores e outras empresas. Assim, essas startups poderão mergulhar no mercado brasileiro e norte-americano. Novas ações no âmbito do Tecnopuc Anywhere irão envolver outras áreas do conhecimento, como a áreas de ciências da vida e da saúde, sociais aplicadas e humanidades. 

Leia também: 10 pesquisadores da PUCRS estão entre os mais influentes do mundo