Institucional

Seminário Internacional de Lusofonia aborda história, língua e cultura

terça-feira, 20 de novembro | 2018

abertura, palestra, seminário, lusofonia, língua portuguesa, português, letras, escola de humanidades

Foto: Camila Cunha

Iniciou nesta segunda-feira, dia 19 de novembro, o 1º Seminário Internacional de Lusofonia, promovido pelos programas de Pós-Graduação em História e em Letras da Escola de Humanidades. O encontro tem como objetivo discutir os traços linguísticos e culturais comuns que podem ser articulados em falantes do português nos mais diversos países.

A cerimônia de abertura contou com a presença do pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários, Marcelo Bonhemberger, com a vice-cônsul de Portugal em Porto Alegre, Adriana de Melo Ribeiro, com o presidente do Conselho Regional do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) para América Central e América do Sul, Antonio David e com a decana associada da Escola de Humanidades, Regina Kohlrausch. Na ocasião, Bonhemberger destacou a importância da discussão transdisciplinar e multidisciplinar entre os programas de pós, além da relevância da discussão de integração cultural.

A vice-cônsul de Portugal em Porto Alegre classificou como fascinante o universo da lusofonia. “É sempre riquíssimo podermos estudar sobre a influência que os portugueses levaram aos quatro cantos do mundo, em um relacionamento direto com outras nações”, comentou.

abertura, palestra, seminário, lusofonia, língua portuguesa, português, letras, escola de humanidades

Foto: Camila Cunha

Dispersão histórica da língua portuguesa

Na primeira mesa redonda do evento, o professor do PPG de História, Marçal de Menezes Paredes fez uma retomada histórica de sete séculos da lusofonia. O docente colocou em pauta como os brasileiros têm perdido a capacidade de entender o sotaque português, mas reforçou a riqueza e importância do idioma ao longo da história. De acordo com Paredes, o reencontro com a cultura portuguesa é ferramenta para a internacionalização do imaginário dos brasileiros. O pesquisador destacou a hibridização das culturas ao longo dos séculos como importantes fatores para o idioma que hoje compartilhamos, trazendo história e heranças de diversas partes do mundo.

Além das características culturais, Paredes abordou eventos históricos de larga escala que foram transformando a língua. “Estudar a lusofonia é transitar entre os estudos europeus, estudos africanos e estudos latino-americanos”, adicionou.

Contexto linguístico da lusofonia

abertura, palestra, seminário, lusofonia, língua portuguesa, português, letras, escola de humanidades

Foto: Camila Cunha

A professora do PPG de Letras, Cristina Perna, também participou da primeira mesa redonda do evento abordando a lusofonia do ponto de vista linguístico. A docente expôs dados sobre a presença do idioma em seis continentes, 11 países e aparecendo como o 6ª idioma mais falado do mundo. Cristina falou sobre o ensino da língua portuguesa para estrangeiros, abordando ações de políticas linguísticas pensadas para atender as demandas de contexto da mobilidade acadêmica. Além disso, apresentou o projeto com aulas de português para imigrantes haitianos, resultado da parceria entre a Escola de Humanidades, o Centro de Pastoral e Solidariedade e a Paróquia Santa Clara.

Por fim, a professora também falou sobre o ensino da língua portuguesa para estrangeiros em nível de pós-graduação, apresentando o ensino de português para fins acadêmicos (PPEA), no qual a orientação também aborda a escrita de materiais teóricos, apresentações formais e pesquisa.

A primeira edição do seminário ocorre durantes os dias 19 e 20 de novembro, com diferentes mesas redondas de debate sobre a lusofonia. Mais informações sobre a programação neste link.

Mais recentes