Saúde

Estudo aponta áreas do cérebro atuantes no reconhecimento entre indivíduos

segunda-feira, 29 de agosto | 2016

Instituto do CérebroImagine o quanto o reconhecimento social é fundamental em nossas vidas: além de encontros face a face, vivemos em diversas redes sociais, estabelecemos contatos e nos relacionamos com intensidade com quem está ao nosso redor. Para os mamíferos em geral, esse reconhecimento é fundamental para a manutenção dos relacionamentos, da formação desses vínculos sociais e sem esse tipo de memória, não haveria sociedade. Um estudo do Centro de Memória do Instituto do Cérebro do RS (InsCer/RS), coordenado pelo neurocientista Iván Izquierdo, levou à descoberta de que as áreas como o hipocampo e a amígdala cerebral são participantes ativas do processo de reconhecimento, até então vinculado somente ao bulbo olfatório, primeira estrutura do sistema olfatório cerebral. O achado se torna a base neurofisiológica do reconhecimento social e foi publicado recentemente na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), dos Estados Unidos.

A primeira experiência compreendeu a colocação de um roedor em uma caixa vazia. Depois, ele foi apresentado a um rato jovem, sentindo seu cheiro. No dia seguinte, ele foi exposto ao mesmo rato jovem da etapa anterior e a um novo. Passadas as fases de ambientação e de exposição, houve a infusão cerebral de três neurotransmissores no hipocampo e na amígdala: dopamina (responsável em outros lugares do cérebro por motivação, prazer), noradrenalina (envolvida nos processos de alerta e interesse) e histamina (ligada à memória, controle alimentar, etc.). “Até então os neurotransmissores mais visados no processo de reconhecimento social eram a ocitocina e os hormônios sexuais. Queríamos comprovar como atuavam esses três grandes sistemas”, disse a pesquisadora Carolina Zinn, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde da Universidade.

Os pesquisadores concluíram que esses neurotransmissores e essas áreas cerebrais são fundamentais na participação da consolidação da memória de reconhecimento social. A percepção é a de que, em média e em porcentagem de exposição, o roedor testado utilizou as áreas cerebrais para explorar três vezes mais o ratinho novo, sabendo que ele não estava ali antes. “Além disso, ele vai buscar em suas memórias o reconhecimento de longa duração, para reconhecer o lugar onde está e suas referências espaciais, como a localização”, esclarece a professora e pesquisadora do Centro de Memória Jociane Myskiw.

Para Izquierdo, o resultado representa um divisor de águas na pesquisa sobre a área. “É uma descoberta importante, pois aponta para o surgimento de possíveis bases de reconhecimento social em indivíduos saudáveis e pacientes psiquiátricos, como portadores de demências, autismo e esquizofrenia”. Ele explica que em demências como o Alzheimer, o hipocampo é uma das primeiras áreas a sofrer lesões. “É uma área diretamente afetada, provocando principalmente a falta de reconhecimento do paciente em pessoas de seu convívio, como filhos, cônjuge, etc.”, frisa.

O estudo teve início em 2013 quando o mestrando francês Nicolas Clairis, da Universidade de Lyon, atuou no Centro de Memória com a pesquisa colaborativa na área de reconhecimento social. Depois de três meses na instituição, ele retornou à França e o estudo teve continuidade com a doutoranda Carolina e as professoras Jociane e Cristiane Furini, com coordenação de Izquierdo.

 

Acesse aqui o resumo do artigo

 

Mais recentes