Saúde

Ensino, pesquisa e assistência ganham reforço tecnológico para reabilitação cardíaca e pronto atendimento

segunda-feira, 07 de junho | 2021

Foto: Camila Cunha

Com o objetivo de disseminar novas tecnologias e promover experiências de uso de produtos de última geração, a  Hillrom escolheu a PUCRS como parceira no projeto Hospital University, com o qual realiza a doação de equipamentos e soluções nas linhas de pronto atendimento e cardiologia para as aulas práticas de laboratório dos estudantes dos cursos de saúde. Com isso, o Centro de Reabilitação (CR) – integrado aos programas de ensino da Escola de Ciências da Saúde e da vida – e a Escola de Medicina receberam um subsídio de R$ 50 mil em equipamentos da empresa por meio de um termo de cooperação.

Uma cerimônia na Sala Cardiopulmonar do Centro de Reabilitação marcou a entrega dos dispositivos que servem para monitoramento, diagnóstico, mobilidade, posicionamento e terapia cardíaca e respiratória. Segundo o coordenador do CR e professor da Escola de Ciências da Saúde e da Vida, Pedro Henrique Deon, com o aporte tecnológico de ponta recebido será possível criar um ambiente inovador. “Vai permitir que nossos estudantes tenham experiências ainda mais qualificadas em seus processos de aprendizado. É também uma parceria inovadora que garante assistência eficaz para a nossa comunidade”, destaca.

Tecnologia associada à prática qualificada em Saúde

O coordenador do Centro de Reabilitação ressalta que a parceria é de impacto e prevê resultados muito ágeis. “É isto que desejamos para a cooperação que se inicia, oportunidades para nossos alunos e para a comunidade. A Hillrom está focada em necessidades que também são urgentes para nós como acelerar a recuperação do paciente, possibilitar o diagnóstico e tratamento, simplificar comunicações clínicas e colaboração, otimizar eficiência cirúrgica e segurança, entre outras soluções na área”, comemora.

Foto: Camila Cunha

Os equipamentos, que serão utilizados em práticas dos cursos da área da Saúde, contemplam dois espaços do Campus: o CR e a Escola de Medicina. O professor Leonardo Pinto, decano da Escola, destaca a tradição dos equipamentos da marca no fornecimento para hospitais, clínicas de fisioterapia e consultórios médicos. “A tecnologia está cada vez mais associada à prática médica qualificada. Dessa forma, é essencial que nossos estudantes tenham à disposição equipamentos qualificados para o treinamento desde muito cedo na sua formação. No caso da Medicina será muito benéfico em diversos níveis, mas especialmente nos treinamentos da disciplina de Propedêutica Médica, na qual os estudantes aprendem a realizar o exame físico e a manusear equipamentos essenciais para um bom exame como estetoscópio, otoscópio, oftalmoscópio”, explica.

Os estudantes da área de Saúde da PUCRS, além de contar com a estrutura de laboratórios, têm a possibilidade e oportunidade de realizar estágios presenciais e aprofundar conhecimentos em diferentes níveis:

  • Visão primária de atenção à saúde, que acontece nas unidades e postos de saúde;
  • Atenção secundária, que é vivenciada em espaços e práticas como o Centro de Reabilitação;
  • Atenção terciária, na qual o paciente é encaminhado a um atendimento altamente especializado para cirurgias ou exames mais invasivos.

Dessa forma, além da possibilidade de os estudantes estarem vinculados à pesquisa desde a graduação, também podem realizar práticas assistenciais.

Equipamentos de ponta para a pesquisa e atendimento a pacientes do SUS

Segundo a professora do curso de Fisioterapia e coordenadora do Programa de Residência Multidisciplinar HSL/PUCRS, Clarissa Blattner, a nova tecnologia empreendida também vai beneficiar e facilitar muito a realização do projeto de pesquisa Benefícios de um Programa de Educação em Saúde e Reabilitação Cardíaca em Pacientes com Insuficiência Cardíaca, realizado em parceria com o Ambulatório de Insuficiência Cardíaca (IC) do Hospital São Lucas. Ela destaca que, com os equipamentos, será possível atender pacientes cardiopatas com múltiplos fatores de risco com o melhor suporte tecnológico possível, impactando em segurança na assistência. 

“Vamos conseguir fazer avaliações e abordagens com maior segurança. Toda essa tecnologia vai permitir que pacientes de risco sejam estimulados da forma mais ampla e segura possível. O que mais nos motivou e o que mais agrega é que lidamos com pacientes cardiopatas de alto risco, que não têm condições de acesso a esse tipo de serviço em saúde, mesmo quando a indicação pelas diretrizes de cardiologia é máxima. Além da oportunidade de prática mais qualificada para os profissionais e estudantes, conseguiremos prestar uma assistência ainda melhor aos participantes da pesquisa que são pacientes do SUS”, ressalta Clarissa.

Foto: Camila Cunha

Em 2021, oito pacientes devem completar o tratamento realizado por meio da pesquisa no Centro de Reabilitação. O número de pessoas por grupo foi reduzido devido ao contexto da pandemia, mas tem possibilidade de ser ampliado caso haja condições sanitárias seguras para isso. A triagem e o encaminhamento para a equipe multidisciplinar que atende os pacientes são feitos pela equipe médica do ambulatório de IC do HSL. A reabilitação acontece no período de três meses, nos quais o participante conta com enfermeiro, médico, fisioterapeuta, nutricionista, acompanhamento de psicólogo, de educador físico e de farmacêutico. Todos trabalhando a educação em saúde e reabilitação

Para participar da pesquisa os pacientes assinam um termo de consentimento com os detalhes sobre o uso dos dados coletados ao final do processo. No encerramento de cada grupo há uma comemoração e a entrega de um certificado. “Receber o feedback dos pacientes é empolgante porque a reabilitação muda a qualidade de vida das pessoas. Quem antes não conseguia andar até o mercadinho da esquina sai da reabilitação com outra condição, uma diferença muito grande do ponto de vista da funcionalidade”, conta a fisioterapeuta.

O projeto é liderado pelo professor do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde, Luiz Carlos Bodanese, e conta com os colegas da Escola de Medicina Anna Paula Tscheika e Luiz Claudio Danzmann. Também integram a pesquisa as coordenadoras do Programa de Residência Multidisciplinar HSL/PUCRS e professoras da Escola de Ciências da Saúde e da Vida, Clarissa Blattner, do curso de Fisioterapia, e Ellen Magedanz, do curso de Enfermagem. Estudantes da ECSV e residentes do Programa de Residência Multiprofissional e Uniprofissional da Saúde – Hospital São Lucas – PREMUS/HSL são convidados a integrar a pesquisa e vivenciar a experiência.

A Hillrom

É uma companhia com 92 anos de história que tem como foco o desenvolvimento de equipamentos de alta qualidade e tecnologias para auxiliar o profissional de saúde e proporcionar maior conforto e qualidade aos seus pacientes. Fundada em 1929, ao longo dos anos foi pioneira no desenvolvimento de tecnologias e soluções para o mercado da Saúde. Em 2016 adquiriu a empresa centenária Welch Allyn, que foi fundada em 1915, com o objetivo de agregar ao seu portfólio produtos de qualidade e excelência na área de equipamentos.

Em 2017 realizou também a aquisição da Mortara, fabricante de equipamentos de cardiologia, com expertise e tecnologias que entregam resultados confiáveis, que auxiliam o profissional no diagnóstico do paciente. A empresa RTS, distribuidora oficial da marca para as linhas de produtos Front Line Care e de Cardiologia em toda região sul do Brasil, com mais de 20 anos de história, também reforça o apoio no projeto.

Mais recentes