Pesquisa

Doenças respiratórias podem ter tratamento com fisioterapia e exercícios físicos

sexta-feira, 27 de janeiro | 2023

doenças respiratórias

Foto: Bruno Todeschini

As doenças respiratórias são uma das principais causas de morbidade e mortalidade em pediatria. Esse cenário gera altos custos para o sistema de saúde e causa impacto significativo na qualidade de vida das crianças e suas famílias. Essas doenças podem ser classificadas como agudas, como a bronquiolite viral aguda, ou como crônicas, que tem como exemplo a asma e a fibrose cística. Para isso, a fisioterapia respiratória é uma especialidade relevante para a prevenção e para o tratamento de praticamente todas as doenças que atingem o sistema respiratório. 

Os pacientes acometidos por essas doenças sofrem diversas complicações, dentre elas, a limitação física e aeróbica, o que acarreta sintomas como dispneia, fadiga e dificuldade de respiração durante e após as atividades físicas. Esses sintomas afetam o condicionamento físico do paciente, que aliado à inatividade, pode provocar um círculo vicioso, comprometendo sua qualidade de vida. 

Para estes casos, a fisioterapia respiratória surge com um papel fundamental para definir, junto ao paciente, técnicas de remoção de secreções, ajustar a terapia inalatória, recomendar exercício físicos específicos e tratar alterações musculoesqueléticas. 

“A modalidade é um conjunto de técnicas manuais que podem ser preventivas ou terapêuticas e tem como objetivo mobilizar secreções, melhorar oxigenação do sangue, desobstruir os brônquios e vias aéreas superiores, diminuir o trabalho respiratório, reeducar a função respiratória e prevenir complicações”, explica o professor e pesquisador da Escola de Medicina da PUCRS Márcio Donadio.

A Fisioterapia é eficaz nesses casos?

No grupo de pesquisa em Avaliação Funcional, Atividade Física e Desenvolvimento da Criança e do Adolescente da PUCRS, estão sendo desenvolvidas pesquisas apontando a especialidade da fisioterapia respiratória como forma eficaz de tratamento para pacientes com diagnóstico de doenças como a fibrose cística. Os pesquisadores que atuam no Laboratório de Atividade Física em Pediatria do Centro Infantil da Escola de Medicina analisaram o uso de exercício físico e testes de avaliação física para estes casos.

O professor Donadio explica que pacientes com fibrose cística apresentam além da infecção crônica, episódios agudos de sintomas respiratórios, chamados de exacerbações pulmonares. Esses eventos impactam negativamente a qualidade de vida dos pacientes, com repercussões físicas e psicossociais, além dos pacientes apresentarem uma deterioração mais rápida da função pulmonar e uma piora do prognóstico, com diminuição da sobrevida. Além disso, em muitos casos, também acontece a hospitalização para tratamento com antibióticos, intensificação da fisioterapia respiratória e do suporte nutricional, gerando um grande impacto nos custos para a saúde.  

Com isso, a pesquisa desenvolvida pelo grupo da PUCRS propõe a aplicação do teste do degrau de três minutos, utilizado para avaliar a capacidade física. O pesquisador explica que esse teste tem suas vantagens porque pode ser realizado fora de um laboratório, com o benefício adicional de ser mais próximo dos padrões usuais de atividade física, sem depender de motivação e nem de espaço amplo para sua realização.  

doenças respiratórias

Foto: Bruno Todeschini

Os resultados da pesquisa apontam que o teste do degrau de três minutos pode auxiliar na identificação de episódios de exacerbação pulmonar em pacientes com fibrose cística e que pode ser realizado de forma remota. Desta forma, o teste pode ser uma ferramenta auxiliar para identificar episódios de exacerbação pulmonar, apresentando um bom desempenho quando realizado de forma remota, permitindo a avaliação de pacientes à distância e sem a necessidade de deslocamento até o centro de referência. 

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS: Pesquisa com hospital da Espanha 

Para desenvolver um dos estudos, o grupo de pesquisa da PUCRS contou com a colaboração do Hospital Universitario Niño Jesús de Madrid, da Espanha, por meio do Programa CAPES-PrInt na PUCRS. Donadio atuou como professor visitante na Universidad Europea de Madrid, onde também a aluna de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Pediatria Natália Evangelista Campos realizou doutorado sanduíche pelo período de um ano.  

Com a presença do professor e da estudante da PUCRS, foi possível dar início ao projeto que visa analisar os efeitos de um programa de exercício físico com foco na força muscular, supervisionado à distância, para pacientes com fibrose cística. Os resultados parciais obtidos até o momento indicam que o programa de exercício está gerando ganhos na capacidade muscular e na composição corporal. 

“São evidências de que programas de exercício também podem ser administrados e monitorados de forma remota, além de que podem contribuir de forma importante para o aumento da adesão a essa terapia de tantos benefícios para pacientes com doenças respiratórias crônicas”, finaliza o pesquisador. 

Leia também: Pesquisa sobre saúde mental busca melhorar a qualidade de vida da terceira idade

Mais recentes