Evento reuniu especialistas da indústria na Escola Politécnica e proporciona imersão prática aos estudantes 

O aluno de Engenharia Química Juan José Mora Fajardo recebeu a certificação da AIChE na área de Segurança de Processos. / Foto: Divulgação

O curso de Engenharia Química da PUCRS, em parceria com o Capítulo Estudantil da AIChE (American Institute for Chemical Engineers) e com o apoio da Escola Politécnica, promoveu no dia 7 de junho um treinamento sobre “Investigação de Causas de Incidentes Industriais”. A iniciativa, que faz parte de uma série de eventos voltados à Segurança de Processos Industriais, contou com a participação de 20 alunos de graduação e teve como palestrante convidado Eduardo de Maio Francisco, especialista em Segurança de Processos da VALE

O treinamento, que teve como objetivo principal capacitar os alunos para a investigação de causas de acidentes em ambientes industriais, abordou temas como análise de falhas, metodologias de investigação e ferramentas de análise de dados. Além da palestra teórica, os alunos participaram de uma atividade prática, na qual, divididos em grupos, tiveram que investigar a causa raiz de um acidente industrial. A atividade contou com a colaboração de profissionais da Petrobrás, que auxiliaram os alunos na resolução do problema. 

Leia mais: Curso de Engenharia Química alia infraestrutura de ponta a tendências tecnológicas da área 

“Nossa missão é transformar a Segurança de Processos na Indústria do Brasil, e para isso, é fundamental que as universidades se engajem no ensino da área desde a graduação. A parceria da PUCRS com a indústria e a AIChE representa um marco nesse sentido, impulsionando o crescimento da área no Sul do Brasil. Acreditamos que este é apenas o início de uma jornada promissora para a segurança industrial no nosso país”, ressaltou Eduardo de Maio Francisco.

A ocasião comemorou ainda outro marco importante: agora o curso possui o primeiro graduando em Engenharia da PUCRS a alcançar Certificação da AIChE na área de Segurança de Processos, ao percorrer 36 módulos de treinamento que vêm sendo implementados nas disciplinas de Graduação. Trata-se do aluno de Engenharia Química Juan José Mora Fajardo, que também é Presidente do Capítulo Estudantil da AIChE na PUCRS. 

“O ponto alto para mim é o grande apoio que a Engenharia da PUCRS recebe das maiores empresas do Brasil e a forma como as aulas são dadas, por profissionais experientes que trabalham na área. O Capítulo Estudantil vem organizando vários eventos sobre segurança de processos e aproxima os alunos da indústria, o que é fundamental para formar bons Engenheiros. A atenção da PUCRS para essa iniciativa tem sido um grande diferencial na nossa formação”, exalta Juan.  

O Capítulo Estudantil da AIChE da PUCRS é uma organização que reúne estudantes graduação e pós-graduação em Engenharia Química e áreas afins. O Capítulo promove eventos, workshops e palestras com o objetivo de aprimorar o conhecimento técnico dos alunos, fomentar a troca de experiências e preparar os futuros profissionais para o mercado de trabalho. 

Leia também: Descubra qual das Engenharias mais combina com você 

A sequência de treinamentos que será conduzida ao longo deste ano faz parte de uma iniciativa maior de desdobramento do ensino de segurança de processos industriais nas graduações em Engenharia na Escola Politécnica da PUCRS. O objetivo da iniciativa é preparar os alunos para os desafios da segurança de processos e contribuir para a formação de profissionais mais qualificados para o mercado de trabalho. 

O docente conselheiro do Capítulo Estudantil da AIChE Allan Morcelli reitera que a PUCRS reconhece a importância da sinergia entre academia e indústria e também a necessidade de formar engenheiros que apresentem diferenciais que os destaquem em um mercado de trabalho altamente competitivo.  

“Por isso, investimos em treinamentos com profissionais experientes da indústria, combatendo o déficit de conhecimento em Segurança de Processos Industriais. Desejamos consolidar a PUCRS como referência no ensino da área, formando profissionais altamente qualificados e engajados, prontos para protagonizar um futuro mais seguro para a indústria nacional”, finaliza. 

Estude Engenharia Química na PUCRS 

Estudar Engenharia Química é entender a natureza daquilo que constitui o mundo e converter matérias-primas em produtos para construir soluções criativas e inovadoras. O curso de Engenharia Química da PUCRS é um dos mais respeitados do mercado e conta com uma grande infraestrutura que oferece aos estudantes um espaço que alia a teoria com a prática. Se interessou? A Universidade está com as inscrições abertas em seu Vestibular complementar para diversos cursos da graduação presencial, incluindo Engenharia Química. Inscreva-se! 

Quero estudar Engenharia Química

A gestão de crises empresarial é fundamental para navegar no complexo cenário de policrises em que vivemos. Artigo produzido por Ana Flávia Bello, consultora e palestrante em gerenciamento de crises para proteção da reputação de marcas

Exercícios simulados de crise desempenham um papel vital na preparação de indivíduos e equipes para enfrentar situações de emergência e crises. Estes exercícios oferecem uma plataforma para treinar, testar e melhorar as respostas a crises, garantindo que os envolvidos estejam preparados para atuar de forma eficiente e coordenada em momentos críticos. 

Neste mesmo contexto, exercícios simulados proporcionam uma oportunidade para que os participantes pratiquem procedimentos de resposta a crises antecipadamente a um evento real. Essa prática é essencial porque, em uma emergência, o cérebro humano tende a reduzir sua capacidade de pensamento crítico e seguir apenas o que já foi muito praticado.  

Portanto, treinar antecipadamente permite que os indivíduos internalizem os procedimentos necessários, garantindo uma resposta automática e eficiente durante uma crise real. 

Importância dos exercícios simulados de crise 

1. Preparação e Treinamento:

Exercícios simulados proporcionam uma oportunidade para os participantes praticarem procedimentos de resposta a crises em um ambiente controlado. Isto permite que eles se familiarizem com seus papéis e responsabilidades, reduzindo a incerteza e aumentando a confiança na execução de tarefas durante uma crise real. 

2. Identificação de lacunas:

Simulações ajudam a identificar falhas nos planos de resposta a crises. Estas falhas podem incluir questões de comunicação, insuficiência de recursos, e procedimentos inadequados. A identificação dessas lacunas antes de uma crise real permite que as organizações façam ajustes necessários e melhorem seus planos. 

3. Avaliação e melhoria contínua:

Através da avaliação dos exercícios simulados, as organizações podem medir a eficácia de suas estratégias de resposta. Feedback detalhado e análise pós-exercício são fundamentais para o processo de melhoria contínua, permitindo ajustes e aprimoramentos nos planos e procedimentos. 

4. Construção de coesão e engajamento de equipe:

Exercícios de crise promovem a colaboração e a coesão entre os membros da equipe. Trabalhar juntos em cenários simulados fortalece as relações interpessoais, o engajamento e melhora a comunicação, fatores essenciais durante uma crise real. 

Melhores práticas para a condução de exercícios simulados de crise 

1. Planejamento detalhado:

A preparação é fundamental para o sucesso de um exercício simulado. O planejamento deve incluir a definição de objetivos claros, o desenvolvimento de cenários realistas e a identificação dos recursos necessários. Um roteiro detalhado, com etapas e metas específicas, garante que o exercício seja conduzido de forma estruturada e eficaz. 

2. Cenários realistas e relevantes:

Os cenários de crise devem ser baseados em situações realistas e relevantes para a organização. Isto pode incluir desastres naturais, ciberataques, ou crises de saúde pública. Cenários bem elaborados desafiam os participantes e testam suas habilidades de forma abrangente. 

3. Engajamento de todos os níveis:

É essencial envolver participantes de todos os níveis da organização, desde a alta administração até os funcionários de linha de frente de resposta a emergência e gerenciamento de crises, especialmente os membros do comitê de crise. A participação ampla assegura que todos compreendam seus papéis e responsabilidades e que a resposta seja coordenada em todos os níveis. 

4. Facilitação e moderação efetivas:

A presença de facilitadores experientes é crucial para guiar o exercício e garantir que os objetivos sejam atingidos. Os facilitadores devem conseguir monitorar o progresso, oferecer feedback em tempo real e ajustar o cenário conforme necessário. 

5. Avaliação e feedback pós-exercício:

Após a conclusão do exercício, uma avaliação detalhada deve ser conduzida. Isto inclui a análise do desempenho, identificação de pontos fortes e oportunidades, e a coleta de feedback dos participantes. A documentação das lições aprendidas é essencial para aprimorar os planos de resposta a crises. 

6. Revisão e atualização de planos:

Com base na avaliação e feedback, os planos de resposta a crises devem ser revisados e atualizados regularmente. A melhoria contínua é essencial para garantir que a organização esteja sempre preparada para enfrentar crises futuras. 

Em resumo, exercícios simulados de crise são ferramentas indispensáveis na gestão de crises. Eles não apenas preparam indivíduos e equipes para responder eficazmente a emergências, mas também promovem a melhoria contínua dos planos e procedimentos.  

Ao seguir as melhores práticas na condução desses exercícios, as organizações podem assegurar uma resposta coordenada e eficaz, minimizando os impactos das crises, contendo danos e protegendo seus ativos e reputação. 


A autora do texto, Ana Flávia Bello, é CEO da startup Cosafe LATAM, com vasta experiência como consultora e palestrante em gerenciamento de crises para proteção da reputação de marcas. É, também, professora do curso Gestão de Crises na Era Digital, da temporada dos Cursos de Inverno 2024 — Famecos. 

Conheça o curso

Texto do governo federal tramita na Câmara dos Deputados desde março 

Professor da Escola de Direito Gilberto Stürmer explica o projeto que busca regulamentar a categoria. / Foto: Envato

Motoristas de aplicativo vivem na precariedade, com longas jornadas de trabalho a má remuneração. De acordo com o estudo do Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA), o número de motoristas aumentou nos últimos dez anos e a remuneração caiu de R$ 3.100 entre 2012 e 2015 para R$ 2.400,00 em 2022. Em março, o governo federal propôs um projeto de Lei Complementar (PLP) 12/2024 a fim de regulamentar os motoristas de aplicativos. 

Entre outras coisas, a proposta prevê: salário base por hora de R$ 32,10; jornada máxima de 12 horas por dia, acesso a direitos previdenciários previstos no Auxílio Maternidade para mulheres; escolha de quando trabalhar e ausência de vínculo de exclusividade, não os enquadrando na Consolidação das Leis do Trabalho.  

O projeto é resultado do grupo de trabalho firmado entre o governo federal, executivos responsáveis pelos aplicativos, motoristas e centrais sindicais. Hoje, o tema é debatido nas comissões específicas da Câmara de Deputados e o projeto será votado por deputados em Brasília após passar pela: Comissão de Indústria, Comércio e Serviços; Comissão de Trabalho e pela Comissão de Constituição e Justiça.  

O projeto tem causado divergências entre os representantes legislativos e um dos temas centrais das discussões é referente aos encargados tributários. Os motoristas deverão pagar 7,5%, enquanto os aplicativos pagarão 20% de contribuição. Para o professor da Escola de Direito da PUCRS, Gilberto Stürmer, isso poderá afetar o preço das corridas.  

“A ideia geral da regulamentação é trazer direitos e garantias aos motoristas de aplicativo. Em contrapartida, exigirá uma contribuição ao INSS tanto por parte do motorista como da empresa intermediadora. Esse conjunto de alterações, ao que tudo indica, tornará o serviço mais caro para os usuários”, destaca o professor. 

Emprego x trabalho 

Existe uma diferenciação jurídica entre o emprego e o trabalho, o professor Stürmer afirma que é necessário que se garanta proteções a esses trabalhadores que não estão assegurados por direitos trabalhistas destinados a empregados.  

“Isso porque a relação existente entre o motorista e a empresa intermediadora não é de emprego, mas de trabalho. Por esse motivo, esses trabalhadores merecem proteção, porém não a mesma destinada aos empregados celetistas”, comenta.  

Para Gilberto Stürmer o projeto de lei apresenta pontos positivos, como a questão da limitação de horas de trabalho. O docente acredita que apesar de coincidir com uma ideia de segurança do próprio motorista e de seus passageiros, pode ser interpretada como uma ingerência demasiada sobre o motorista, que, em princípio, deveria poder dispor sobre o seu trabalho. 

Para que, na prática, essa proposta possa trazer impacto para os trabalhadores e população, Gilberto enfatiza que é necessário haver maior fiscalização do estado.  

“Os desafios principais para a implementação envolvem a própria aplicação da legislação, diante da ausência de fiscalização suficiente por parte do poder público”, finaliza Stürmer. 

Estude Direito na PUCRS 

O campo do Direito precisa cada vez mais de profissionais capacitados, prontos para lidar com um mercado em constante evolução. O curso na PUCRS capacita estudantes para trabalhar em todas as áreas dentro do Direito. No dia 20 de junho, a Universidade abre o seu processo seletivo para o Vestibular complementar para diversos cursos de graduação presencial, incluindo Direito. Saiba mais sobre o curso clicando aqui.   

Leia também 

Iniciativa aproxima estudantes da PUCRS e alunos internacionais que estarão em mobilidade acadêmica na Universidade 

Amigos Universitários e estudantes internacionais na recepção 2023/2 / Foto: Mariana Haupenthal 

Estão abertas até o dia 9 de julho as inscrições para o Programa Amigo Universitário, iniciativa coordenada pelo Escritório de Cooperação Internacional, que aproxima estudantes da PUCRS de alunos internacionais em mobilidade acadêmica na Universidade. Para se inscrever, é preciso enviar o formulário disponível neste link para o e-mail [email protected], juntamente com seu comprovante de matrícula. Os estudantes selecionados participarão do programa no segundo semestre de 2024. 

Os voluntários do programa são encorajados a auxiliar os novos estudantes em questões acadêmicas e institucionais, bem como em se engajarem com trocas interculturais compartilhando curiosidades, informações, tradições e experiências sobre a cidade e o país. A participação no programa permite que alunos PUCRS tenham contato com culturas diferentes, além de praticar um segundo idioma.   

Quem pode participar   

Para participar, candidatos/as precisam estar matriculados/as em algum curso de graduação ou pós-graduação da Universidade no momento da inscrição e no semestre seguinte, quando iniciam as atividades como Amigo Universitário. Além do formulário de inscrição preenchido, os candidatos terão que participar de uma dinâmica em grupo. A data, horário e local serão informados na sua inscrição. 

Experiências para a vida toda  

Para a acadêmica de Relações Internacionais Laura Rizzon Toscan participar do programa tem oportunizado aprendizados sobre culturas diferentes, costumes, comidas, festas, músicas, expressões.

“Ganhei amizades para a vida toda. É muito legal poder ter esse vínculo, não somente com elas, mas com os demais estudantes internacionais, porque agrega na nossa bagagem de aprendizados e nos torna mais conectados com o mundo. Fiquei ainda mais curiosa para desbravar os países e a cultura deles”, comenta.  

Dúvidas e mais informações sobre o Programa Amigo Universitário podem ser enviada para o e-mail [email protected], pelo telefone (51) 3320-3660 ou presencialmente no Escritório de Cooperação Internacional (Prédio 1, sala 110) de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h. 

Artigo de Melissa Streck, pós-doutora em Design de Experiência para pessoas acima de 60 anos

O design de experiência do usuário (UX) ganha cada vez mais importância nas tecnologias contemporâneas, impactando uma grande diversidade de perfis de usuários, incluindo a diversidade de gerações. A importância da pesquisa em UX é evidente ao considerarmos aspectos como usabilidade, acessibilidade e a criação para que produtos digitais tenham uma aceitação e adoção por seus usuários. 

A usabilidade é um alicerce do UX Design, visando facilitar a interação entre o usuário e a tecnologia. Independente da idade, os usuários desejam interfaces intuitivas e eficientes. Para as gerações mais jovens, acostumadas desde cedo com a tecnologia, a expectativa de agilidade e interação é alta. Para as gerações mais maduras, uma abordagem amigável e fácil de usar é essencial para garantir a inclusão digital.  

A acessibilidade é outro pilar crucial. Considerar diferentes habilidades e necessidades é imperativo para criar produtos que atendam a uma ampla gama de usuários. Um Design Inclusivo não apenas atende a padrões de acessibilidade, mas também compreende as nuances das experiências individuais. Adaptar interfaces para usuários com deficiências, sejam elas visuais, auditivas ou motoras, reflete a responsabilidade social e ética do design digital.  

As boas práticas de design estão em constante evolução, e os profissionais de UX devem acompanhar as tendências para oferecer experiências adequadas. O design centrado no usuário, onde as necessidades e preferências do usuário são fundamentais, deve ser levado cada vez mais em conta tendo em vista também a amplitude de perfis de usuários possíveis. Elementos visuais atraentes, arquitetura de informação eficiente, textos coerentes e uma navegação fluida contribuem para a satisfação do usuário. 

A área de UX Research desempenha um papel vital na compreensão das expectativas e comportamentos dos usuários. Entender as diferentes gerações implica em considerar suas experiências passadas e atuais, moldando produtos que ressoem com suas vivências. A coleta de dados por meio de entrevistas, testes de usabilidade e outros métodos fornece insights valiosos para aprimorar a experiência do usuário ao longo do tempo. 

Na era digital, onde a concorrência é intensa, a fidelidade do usuário muitas vezes está ligada à qualidade da experiência oferecida. Um produto digital bem desenhado não apenas conquista usuários, mas também os retém. Isso é particularmente importante quando se lida com diferentes gerações, cada uma com suas preferências e necessidades em ralação ao uso das tecnologias. Uma experiência positiva cria laços emocionais com o produto ou serviço, gerando confiança e lealdade por parte do usuário. 

Em resumo, a aplicação das etapas de design, desde a descoberta, passando por prototipagem e validação, são fundamentais para o sucesso das tecnologias atuais. Ao incorporar usabilidade, acessibilidade e boas práticas de design, os profissionais de UX moldam experiências digitais que transcendem as barreiras geracionais, proporcionando valor e satisfação a uma audiência diversificada. 


 
A autora do artigo, Melissa Streck, é pós-doutora em Design de Experiência para pessoas acima de 60 anos. Ela também é professora do curso UX para 60+: experiências digitais para o público sênior, da temporada dos Cursos de Inverno 2024 da Famecos.  

Saiba mais

David Nemer é docente nos departamentos de Estudos de Mídia e Antropologia e atua como professor da Escola de Direito na PUCRS 

Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

A PUCRS, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais (PPGCrim), adicionou ao seu quadro de pesquisadores, o professor David Nemer da Universidade da Virgínia, EUA. A atuação do professor norte-americano na Universidade será ampla, incluindo a participação em pesquisas com estudantes e professores da PUCRS com pesquisas semelhares. A vinda do professor David Nemer também tem como objetivo ser uma ponte de conexão entre o PPG e a internacionalização 

Para o coordenador do PPGCrim, Nereu Giacomolli, a vinda do professor da Universidade da Virginia contribui para a excelência do programa brasileiro.   

“A atuação do docente associado representa a consolidação e ampliação de uma sólida rede de pesquisa internacional encampada por Augusto Jobim do Amaral de nosso PPGCcrim e que oportunizará o profundo intercâmbio discente e docente entre as universidades, colaborando, além disso, para a intervenção concreta em assuntos de enorme relevância para o aperfeiçoamento jurídico e democrático do país”, destaca o professor. 

David Nemer é Diretor do Latin American Studies Program e autor de livros, como Favela Digital – O outro lado da tecnologia (2013) e Tecnologia do Oprimido: desigualdade e o mundano digital nas favelas do Brasil (2022), onde discute as interfaces de comunidades marginalizadas com as mídias digitais, além de diversos outros livros, artigos e ensaios.  

Indicado ao Prêmio Jabuti, David é mestre em Ciência da Computação pela Saarland University, na Alemanha, mestre em Antropologia pela Universidade de Virginia e doutor em Computação, Cultura e Sociedade pela Universidade da Indiana. Seus principais temas de pesquisa e ensino são sobre a antropologia da tecnologia e as interações humano-computador.  

Leia mais: Como escolher a linha de pesquisa para mestrado e doutorado

O professor realizou atividades em Cuba, México, nos Apalaches e nas favelas do Espírito Santo. Além disso, é membro do Centro Berkman Klein para Internet e Sociedade (BKC) da Universidade de Harvard. Em 2018, foi um dos principais pesquisadores que mapeou a estrutura de distribuição de notícias falsas em redes sociais, identificando as redes de desinformação.  

Mestrado e doutorado na PUCRS 

Estão abertas, até o dia 8 de julho, as inscrições para 15 programas de pós-graduação na melhor universidade privada do Brasil, a PUCRS. Os programas são reconhecidos nacional e internacionalmente pelo seu modelo de ensino flexível, ampliando a formação por meio de parcerias com universidades estrangeiras e um ecossistema que conecta pesquisa com inovação e impacto social. Além disso, os programas contam com professores de excelência, referências em suas áreas de pesquisa.  

Inscreva-se no Mestrado e Doutorado

15 programas de pós-graduação da PUCRS recebem inscrições até 8 de julho 

Área de concentração e linha de pesquisa são dois aspectos fundamentais na elaboração de um projeto. / Foto: Envato

Saber qual linha de pesquisa você vai querer seguir no mestrado ou doutorado é um passo importante para a elaboração do seu trabalho ao longo da pós-graduação. Assim como a área de concentração, a partir dela serão definidas quais disciplinas e atividades você irá realizar durante a formação. Não sabe qual é a diferença entre as duas coisas? A gente explica:    

Para saber qual Programa de Pós-Graduação se encaixa melhor no seu projeto de pesquisa, compare os objetivos indicados nos editais com os seus. Em caso de dúvidas, entre em contato previamente com o PPG pretendido. O/a próprio/a possível orientador/a poderá lhe ajudar nessa decisão.    

Saiba o que você quer e pode estudar    

Além de decidir qual tema você quer trabalhar na sua pesquisa, confira quais linhas de pesquisa se encaixam com o que você pretende investigar na sua formação.    

Para combinar a sua ideia em uma linha de pesquisa, pode ser uma boa opção fazer alguns ajustes para ter mais chances de conseguir uma vaga ou até mesmo a bolsa dos sonhos.  

Conheça quem vai acompanhar você   

Na página dos PPGs é possível conferir quem compõe a coordenação de cada curso e pesquisar, por exemplo, o currículo de docentes, projetos dos quais a equipe já participou, entre outros aspectos.    

Em alguns casos, a aceitação prévia do/a seu/sua futuro/a orientador/a é um dos critérios de seleção. Aproveite esse momento para tirar dúvidas sobre exemplos de trabalhos já realizados, metodologias, verbas já captadas, materiais disponíveis e outros aspectos para avaliar se seu projeto está condizente.    

Quanto mais informações você tiver, melhor. Afinal, serão anos de convivência e aprendizado em conjunto.    

Leia mais: Currículo Lattes: passo a passo para aprender a utilizar a plataforma   

Posso mudar minha linha de pesquisa se eu me arrepender?    

Mudar de linha de pesquisa pode significar também precisar mudar quem está lhe orientando. Não é o ideal, pois atrasa o andamento no curso até que a sua pesquisa esteja readequada, mas pode acontecer.    

Para evitar isso, prepare-se bem antes de tomar a decisão final: coloque no papel tudo o que você precisa levar em consideração e conte com a ajuda da coordenação dos PPGs para lhe orientar, se necessário.    

Ingresse na Pós-Graduação em 2024 

Está aberto o processo seletivo para ingressar no mestrado e doutorado da PUCRS no segundo semestre de 2024. As inscrições para os 15 programas de pós-graduação podem ser realizadas até o dia 8 de julho, exclusivamente de maneira online. 

Inscreva-se no Mestrado e Doutorado

Espaços do Campus, corpo docente qualificado e oportunidades de internacionalização são diferenciais 

Sendo uma das melhores universidades da América Latina, a PUCRS oferece uma infraestrutura completa e diferenciada. / Foto: Gabriel Schimidt

O início da vida acadêmica é um momento importante para os jovens, mas nem sempre o curso ou a instituição escolhida alcança as expectativas. Assim, as universidades permitem que alunos peçam a transferência, visando a melhoria do ensino e da experiência do aluno. Muitos fatores são decisivos para uma decisão como esta, como a reputação da instituição de ensino, a qualidade dos espaços de aprendizagem, os recursos online para continuidade da educação, a estruturação do calendário acadêmico, além da facilidade de locomoção para assistir às aulas presenciais.  

Pensando em proporcionar educação de qualidade para todos os interessados, a melhor universidade privada do Brasil aceita alunos de transferência de outras instituições de ensino com condições especiais. Além de estudar com docentes qualificados, premiados e reconhecidos internacionalmente, e poder usufruir toda a infraestrutura do Campus da PUCRS, os novos ingressantes ganham 15% de desconto nas parcelas do primeiro semestre (exceto Medicina), e um alinhamento personalizado com o coordenador do curso. 

Confira outros diferenciais da PUCRS: 

A Universidade oferece e sedia dezenas de estruturas de pesquisa para estudantes de graduação e pós-graduação, em todas as áreas do conhecimento, podendo ser grupos interdisciplinares.  

1) Iniciação Científica 

Oportunidade para o aluno de graduação adquirir proximidade com a pesquisa acadêmica, além da chance de atuar em projetos conduzidos por pesquisadores com expertise em diversas áreas do conhecimento, o que contribui também com o desenvolvimento de habilidades e competências essenciais para a prática científica.  

2) Centros, Grupos, Institutos, Laboratórios, Núcleos 

Diferentes estruturas de pesquisa, de todas as sete Escolas, com atividades práticas, que complementam a teoria desenvolvida em sala de aula e durante as pesquisas de pós-graduação e preparam para o dia a dia do mercado.  

3) Internacionalização (Programas de Mobilidade Acadêmica) 

A internacionalização se constitui na abertura da universidade para os desafios contemporâneos, para o aprofundamento de sinergias e para a indução de um ambiente físico e cultural, facilitador das interações entre culturas e diferentes visões de mundo. Estas oportunidades estão disponíveis para alunos de graduação de forma presencial, por um semestre em uma universidade no exterior, ou de forma online.  

4) Espaços no Campus

O Campus da PUCRS oferece inúmeras possibilidade em seus 55 hectares de ambientes inovadores focados em ensino, lazer e cultura. Existe a Biblioteca Irmão José Otão, com seu vasto acervo, o Parque Esportivo, o Living 360º e todos outros espaços de alimentação, convivência, descanso e serviços.  

5) Assessoria e consultoria do PUCRS Carreiras  

A consultoria de carreira é um serviço especializado que ajuda os indivíduos a planejar, desenvolver e gerenciar suas trajetórias profissionais. Esse suporte é conduzido por consultores/as de carreira, psicólogos/as que têm expertise em orientação profissional, mercado de trabalho e desenvolvimento pessoal. 

6) Financeiro

Diversas oportunidades de bolsas, créditos educativos, benefícios e descontos. Confira aqui.  

Passo a passo para realizar sua transferência  

Universidade conta com oportunidades especiais para ingresso por vestibular e transferência 

A PUCRS conta com diversos incentivos financeiros para quem quer estudar. / Foto: Gabriel Schimidt

Estudar na melhor Universidade privada do País é o sonho de muitas pessoas que consideram a inovação, o empreendedorismo e a responsabilidade social valores importantes. Com uma ampla infraestrutura e espaços de aprendizagem, a graduação presencial da PUCRS oferece aos seus estudantes uma experiência completa de ensino, onde a teoria e a prática se encontram. Confira as diversas opções de bolsas, créditos e descontos que a graduação presencial da PUCRS oferta para que você possa alcançar seus sonhos.  

Conheça das possibilidades de bolsas, créditos e descontos: 

  1. Para quem quer transferência de outra instituição 

Desconto de 15%* no valor da mensalidade no primeiro semestre ao se transferir de outra Instituição de Ensino Superior.  

 *O desconto é válido da parcela 1 a 6, exceto para o curso de Medicina. 

  1. Para quem sonha em ser professor 

Bolsa Licenciatura – Desconto de 40% em todas as mensalidades para os cursos de licenciatura. Exceto o curso de Educação Física, que é de 30%. 

  1. Para quem tem familiar que já estuda na PUCRS 

Desconto de 12% quando irmão, pai, mãe, filho ou cônjuge estiver(em) cursando graduação na universidade. Exceto na primeira mensalidade. 

  1. Para quem quer fazer uma segunda graduação 

Desconto de 25% no valor das mensalidades para os diplomados na graduação PUCRS, exceto Medicina. Já para os Alumni de Pós-Graduação recebem um desconto de 12%. O ingresso é extravestibular. Graduados de outras Instituições de Ensino Superior tem desconto de 15% no primeiro semestre (parcela 1 a 6), exceto Medicina. 

  1. Para quem fez o ensino médio em colégio Marista 

O Crédito Educativo Marista permite uma ampliação do prazo de pagamento. Um curso de quatro anos, o estudante pagará 40% do valor do curso ao longo da graduação e os 60% poderão ser pagos em até seis anos após a formatura, em parcelas fixas, reajustadas conforme o valor atualizado das mensalidades da graduação.    

  1. Para quem é servidor público do RS 

Para servidores públicos do estado do Rio Grande do Sul são oferecidos descontos de até 15% em diferentes modalidades de cursos na PUCRS com a finalidade de qualificar esses profissionais. Esses descontos também se estendem aos dependentes dos servidores na maioria dos cursos ofertados. 

Conheça os créditos:

  1. Crédito Universitário Banrisul 

O convênio firmado com o Banrisul permite que o estudante financie a matrícula e as mensalidades, com taxa de juros subsidiada pela Universidade de 0,80% ao mês. Esse crédito é aplicado a todos os cursos, exceto Medicina, no qual não há subsídio (taxa fixada em 1,75%). Saiba mais clicando aqui

  1. Crédito Estudantil Uni  

Parceria entre a Unicred Porto Alegre e estudantes da PUCRS, esse benefício é voltado especialmente para alunos/as de medicina, odontologia e psicologia. O benefício oferece um financiamento de até 100% do curso. Saiba mais

  1. CredPUC 

 O estudante pode obter 50% de crédito sobre as mensalidades do curso. O restante é quitado após concluir o curso.  

  1. Proed  

O Programa de Crédito Educativo PUCRS – Proed destina-se aos/as estudantes da Universidade que, dentro das disponibilidades financeiras semestralmente estabelecidas e preenchidas todas as condições para usufruir do benefício, for classificado conforme as condições estabelecidas na resolução e regulamento do Proed. Com vagas limitadas, pode ser utilizada em todos os cursos exceto Medicina.  

  1. Fundacred  

Destinado a estudantes matriculados nos cursos de pós-graduação Lato Sensu (Especialização e NBA), Fundação de Crédito Educativo (FUNDACRED) possibilita o financiamento de até 50% das parcelas do curso.  

Saiba mais

Universidade é a única instituição privada do Rio Grande do Sul que figura na pesquisa 

Reforçando o seu impacto e relevância global, a PUCRS foi destaque no Times Higher Education Impact Rankings, pesquisa que avalia as universidades em relação aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. A PUCRS é a única universidade privada do Rio Grande do Sul no ranking, onde também aparecem a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), ambas públicas e federais. Ao todo, 1.963 instituições de ensino foram ranqueadas no mundo. 

O ranking utiliza indicadores para fornecer uma comparação abrangente e equilibrada em quatro grandes áreas: investigação, gestão, divulgação e ensino. Cada ODS possui uma série de métricas utilizadas para avaliar o desempenho da universidade naquele objetivo em questão. A PUCRS foi destaque em quatro dos 17 ODS:  3 (Saúde e Bem-Estar); 8 (Trabalho descente e crescimento econômico); 9 (Indústria, inovação e infraestrutura); e 17 (Parcerias e meios de implementação). A avaliação é referente aos dados de 2022. 

O reitor da PUCRS, Ir. Evilázio Teixeira, celebra este reconhecimento para a Universidade. Para ele, ser destaque no Times Higher Education Impact Rankings vai ao encontro dos objetivos traçados no Planejamento Estratégico da PUCRS (2023-2027), que tem como posicionamento “Inovação, geração de impacto e valor para a sociedade”. 

“A relevância da Universidade deve se pautar entre o que a sociedade espera dela e o que ela realiza de fato. Uma Universidade inovadora e ciente de seu compromisso social deve ser protagonista no processo de desenvolvimento regional e global. Este reconhecimento nos inspira a seguir nesta busca por uma atuação que ressoe em resultados para os desafios do nosso tempo, que dê respostas para as questões urgentes no nosso planeta”, destaca.  

Para o assessor de Planejamento e Avaliação da PUCRS, Silvio Langer, estar presente no ranking reforça o alinhamento da Universidade com essa temática: 

“Isso confirma que as iniciativas e esforços da instituição estão sendo reconhecidos internacionalmente como contribuições significativas para o avanço dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Assumimos o compromisso com a responsabilidade social e a sustentabilidade, bem como a capacidade de integrar esses direcionadores em todas as áreas de atuação da instituição.” 

Saiba mais sobre a metodologia  

A pontuação total de uma universidade num determinado ano é calculada combinando a sua pontuação no ODS 17 com os seus três melhores resultados nos demais objetivos. O ODS 17 representa 22% da pontuação total, enquanto os outros têm, cada um, uma ponderação de 26%. Isto significa que diferentes universidades são pontuadas com base num conjunto diferente de ODS, dependendo do seu foco. A pontuação para a classificação geral é uma média das pontuações totais dos últimos dois anos. 

As universidades podem submeter dados sobre o maior número possível de ODS, e qualquer universidade que forneça dados sobre o ODS 17 (Parcerias e meios de implementação) e pelo menos três outros ODS é incluída na classificação geral. Além da classificação geral, o ranking também publica os resultados de cada ODS individualmente.   

Leia também: