Inovação

Act In Space: o uso de tecnologia espacial no cotidiano

sexta-feira, 06 de novembro | 2020

O evento é gratuito e aberto ao público mediante inscrição até o dia 12.

Você já pensou em trabalhar com tecnologias aeroespaciais e suas possibilidades de aplicação no cotidiano? Se você tem interesse ou curiosidade, aproveite a oportunidade e participar do Act In Space, evento que vai acontecer em mais de 70 cidades ao redor do mundo e conta com patentes internacionais da Agência Espacial Europeia (ESA), Agência Espacial Francesa (CNES)entre outras empresas de tecnologiaA etapa nacional ocorre entre os dias 13 e 14 de novembro, em formato de uma Hackathon de 24 horas, totalmente online. Os participantes se reunirão em grupos de 2 a 5 integrantes para resolver desafios propostos pela organização internacional do evento. A equipe vencedora desta etapa avança para a fase internacional, que também será online neste ano.  

Cronograma das 24 horas de evento

O evento começa às 18h do dia 13 de novembro e vai até às 18 do dia 14. Ele será totalmente online e terá mentorias e suporte de uma equipe selecionada pelo IDEAR, Laboratório de Empreendedorismo e Inovação, responsável pela organização dHackaton na PUCRS. Para a professora Gabriela Kurtz da Escola de Comunicação, Artes e Design – FAMECOS e integrante da comissão organizadora do evento, as mentorias e organização de horários vai facilitar a dinâmica de trabalho dos grupos participantes. “A mediação vai ser feita por meio dos aplicativos Zoom e Discord, onde os times poderão se reunir e contar com oficinas rápidas e mentorias durante todo o período do desenvolvimento dos projetos”, destaca. O cronograma completo do evento pode ser acessado através do link na página oficial do evento.  

Inscrições
O evento é gratuito e aberto ao público mediante inscrição até o dia 12 de novembro. Um ponto importante é que, por se tratar de um evento mundial, conta com materiais que totalmente em inglês. Além disso, a apresentação na etapa internacional precisa ser obrigatoriamente em inglês. Logo, é desejável ter o nível de inglês intermediário para desfrutar de todas as possibilidades que o evento oferece.

Desafios 
Hackathon está dividida em três desafios, e conta com uma lista de patentes e recursos de apoio que você pode acessar diretamente no site.

São eles:
Be a newspace player Space 4.0:  aplicação das patentes em soluções aeroespaciais.
Everyday Life Busines: aplicação de tecnologias aeroespaciais para negócios e empresas.
Space for Earth and Humanity: destinado a soluções que sejam humanitárias ou de impacto social positivo. 

Premiações
O vencedor da etapa nacional tem direito a apresentar o projeto no evento internacional, que também será online, e vai ocorrer em Fevereiro de 2021, com data ainda a definir. evento Internacional conta com dez premiações diferentes para os participantes. Aqui, elencamos três destaques. Os demais podem ser conferidos diretamente no site do evento. 

Ocean Susteintability Prize
A equipe vencedora receberá suporte durante 3 a 6 meses de sua equipe DataLab, usada para apoiar o programa de inovação interna da CLS, Collect Localsation Satellites. Além disso, os vencedores também terão acesso gratuito ao Programa de Prioridade Espacial da empresa Kinéisserão 6 meses de conectividade e suporte técnico, dependendo do escopo do projeto vencedor. O curso está avaliado em €7500.

Airbus entrpreneurship prize
Os vencedores terão direito a €100.000 de crédito para utilizar em uma coleta de dados através da plataforma disponibilizada pela Airbus.  

Audience award
Promova o seu país e o seu projeto para concorrer ao prêmio patrocinado pela Ubisoft.

Relembre a edição de 2018: 

Act In Space 2018

Vencedores da etapa nacional na edição de 2018. Crédito: Acervo pessoal

Os estudantes da Escola Politécnica Talles Feijó (Engenharia Elétrica), Jonathan Culau e Guilherme Rocha (Engenharia de Controle e Automação) foram os vencedores da etapa nacional do Act In Space de 2018. Eles apresentaram o projeto na etapa internacional que ocorreu na cidade de Toulouse, na França.  

Sobre a experiência de participar do evento, Talles descreve como foi o processo de criação da solução. “Nós fomos definindo passo a passo a nossa ideia e aproveitando as mentorias, pegamos uma das patentes aeroespaciais, depois alocamos para ser aplicada em alguma área e então desenvolvemos a solução para algum problema”, aponta. 

A solução do grupo consistia em diminuir o custo de determinados processos através da utilização de satélites de balões estratosféricos para monitoramento de plantações, diminuindo os danos de pragas as plantações. O modelo de negócio criado buscava tornar o produto acessível à renda de pequenos produtores com a finalidade de promover a democratização da tecnologia.  A edição de 2018 contou com participação de 65 pessoas que integraram 14 equipes.  

Leia ainda PUCRS na final do Act in Space na França

PUCRS representada na grande final do ActinSpace

 

Mais recentes